quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Informações percurso brevet 400

O brevet 400 km é organizado pelo Grupo Santa Ciclismo

Antes de tudo é organizado de forma simples e por quem gosta de ciclismo de longa distancia.

Dificuldades neste brevet:
Percurso cruza por áreas mais remotas e não existe cobertura para telefones celulares em todos os pontos.
Teremos veículos na estrada mas mesmo assim recomendamos andar em grupo ou em dupla e ter muito cuidado principalmente com o transito de veículos pois a faixa de acostamento é estreita na maior parte.
OBS: Há poucas semanas foi inaugurado o trecho norte da BR-471 e esta rodovia deverá ser a principal estrada de escoamento da safra do noroeste do RS até o porto de Rio Grande. Para ter uma idéia esta estrada reduz em 100 km o percurso de Soledade até Rio Grande. Este fato possivelmente faça com que esta estrada tenha mais movimento e possivelmente será impossível a sua utilização em outros brevets, principalmente na época da safra da soja e trigo.
O percurso em áreas pouco habitadas trás uma dificuldade extra para a alimentação no percurso entre Encruzilhada do Sul e o Posto Fita Azul. Para isto colocamos um PC no retorno onde teremos alguns itens para reposição energética.
Quase ao lado da ponte sobre o Rio Camaqua existe um único ponto de reabastecimento neste percurso que é um Bar do Neto onde é possível conseguir água e alguns lanches. Vale lembrar e levar alguma reserva de energia para estes percursos mais longos. Em breve divulgo mais informações sobre a alimentação.


Altimetria comentada com detalhes

Olhar o gráfico com a altimetria do brevet é uma coisa, mas e pedalando?
Da largada até Rio Pardo: temos subidas e descidas, mas no inicio não existem dificuldades. Uma descida de mais de 2 km e uma subida um pouco mais longa antes de Rio Pardo.
De Rio Pardo a Pantano Grande: não tem subidas fortes, mas no caminho tem uma antena. Até chegar a antena são subidas leves e depois é quase só descida até Pântano. No escuro não se percebe muito isto até chegar ao PA-1.
O percurso de Santa Cruz do Sul até Pantano Grande e retorno é o que tem o pior acostamento e mais movimento de veículos, este é um dos fatores que influenciou na escolha do horário de largada assim evitando a passagem neste trecho no horário comercial/diurno.
De Pantano a Encruzilhada: logo na saída tem um trecho de subida bem leve até chegar ao trevo da estrada nova. Depois temos varias subidas, duas em destaque antes de chegar ao PC-1.
De Encruzilhada até o Rio Camaqua: para contornar Encruzilhada são 3 subidas e descidas com inclinação razoável. Chegando à Forjasul, tem ainda mais um pouco de subida, até descer bastante ( 4 km) em uma reta com uma curva no final. Logo depois da curva inicia a subida, mas é bem mais leve e curta. A partir deste ponto existe um dos melhores trechos para pedalar neste brevet de 400 km. É um percurso quase plano com subidas e descidas leves até iniciarem as descidas maiores e chegar à descida da serra. São mais de 4,5 km de descida com inclinação forte, vai ser de dia e dá para largar, mas com cuidado que existem curvas. Chegando ao Abranjo, que é o nome do arroio, que foi colocado em baixo da ponte, que estava no final de descida, ops. Do Arroio Abranjo até o Rio Camaquã são quase só descidas leves. Antes da Ponte tem um bar na esquerda da estrada, Bar do Neto, se precisar vai lá para pegar água e comprar qualquer coisa.
Do Rio Camaquã até o PC-2: Depois do rio, melhor, da ponte, tem alguns quilômetros relativamente mais no plano, aproveite porque depois começa a subir. São subidas leves, mas são longas e são várias. Tem algumas descidas leves entre uma subida e outras, elas estão lá só para você esquecer que está subindo e ir morrendo aos poucos. Quando tiver uma descida com mais inclinação você está chegando à BR-392. Cuidado para ir à direção certa, tem que fazer o balão e seguir em direção a Canguçu e Pelotas. Na BR 392 adivinha o que você vai encontrar? Acertou mais subidas e descidas, mas vai estar perto do PC e pense no prato de comida.
Retornando:
Agora é só voltar!
Depois de comer bastante o percurso da BR-392, que são 10 km, é rápido. Saindo da BR-392 tem subida, mas logo depois vem à recompensa que são os vários quilômetros de quase só descida. Aqui é bom de andar, mas o vento faz barulho nas orelhas e, atrás de ti, sempre vai aparecer um caminhão moderno, rápido, silencioso e que vai passar do teu lado a 110 km/h. Até o Rio Camaqua é bom de pedalar. Se você estiver com alguma folga de tempo vai chegar de dia, seria bom, ou a noite vai te alcançar logo. Se estiver mais atrasado já vai chegar escuro. O problema não é chegar no escuro, mas chegar depois da ½ noite no PA de Encruzilhada.
Depois do Rio Camaqua começa a brincadeira de subir. Logo depois do Abranjo tem uma subida forte, a mesma que você desceu brincando na vinda. A placa diz aclive acentuado 3,5 km. Está certo, no aclive acentuado são 3,5 km, mas o aclive total é mais de 4,5 km. Prepara a marcha mais leve e vai girando. Pode estar escuro, mas mesmo assim te prepara porque esquenta.
Chegou ao final da subida, está cansado. Será proibido desistir neste PC. Lá em cima vai ter um PC. Sim, é ali mesmo o PC-3, vai ter alguma coisa para beber e alguma coisa para comer, mas não perde muito tempo que a janta é mais lá na frente. Pedala para não chegar atrasado ao próximo PA.
Mais algumas subidas e você chega ao percurso bom de pedalar. Lembra que quando encontrar uma capela com caixa de água na direita da estrada, ops. Vai estar usando farol fraco não vai ver isto de noite, se não ver, vai notar que logo depois tem descida, no final tem uma curva, depois da curva tem uma ponte. Se estiver quente ali, vai estar fresquinho. Depois da ponte, que tem um arroio em baixo que se chama Peixoto, tem uma subida para esquentar. São 4 km de subida e possivelmente você vai estar cansado.
Chegou lá em cima e você está perto de Encruzilhada, vai estar na Forjasul, mas ainda não está no PA do posto BR. Faltam alguns quilômetros e uma série de três descidas e subidas.. Demora para passar este trecho. O PA está próximo e o prato de comida também. Se chegar depois da ½ noite vai ficar sem!
De Encruzilhada até Pantano o percurso é mais fácil e tem mais descidas. Cuida para não passar da rotula e passar de Pantano Grande. Tem que chegar lá, tem um PC. Não adianta querer seguir direto, ir para Porto Alegre...
Chegou a Pantano Grande e então toma café e come alguma coisa. Já faz tempo que você saiu do Feldmann, se ficar parado dentro da lancheria, você não chega de volta.
Falta pouco, ou nem tanto. Depois de Pantano tem a antena, nem lembra mais a está altura da noite. Você vai ver a antena depois da fonte, no alto da subida. Depois da antena, Rio Pardo está mais perto, pois é quase só descida. Depois da ponte sobre o Rio Jacui está Rio Pardo e lá tem o Posto Dragão. De dragão você só vai encontrar o calor na loja de conveniência, ou quem sabe algum perdido, voltando de alguma festa nas redondezas. Aproveita o café que é bom mesmo, pega logo o duplo. Neste posto algumas vezes tem um pessoal saindo, ou indo para as festas, digo bebendo e espero colocar alguém para ajudar a cuidar os ciclistas.
Depois do café, digo de Rio Pardo, tem descida, alguns quilômetros planos e uma subida de quase 3 km. Depois da subida, pode contar, você vai encontrar mais três subidas mais significativas, até chegar ao Hotel Feldmann. A ultima é na chegada.

Acabou. Toca a campainha para chamar o guarda do hotel. Assina e entrega o passaporte para ele, senão você pode ter perdido a viagem toda. Confere se ele anotou o teu horário de chegada.
Não vai dormir demais e perder a premiação.
Perigo
O maior perigo na estrada é o “animal ser humano”. Posso afirmar que este percurso não é perigoso e é raro ter algum assalto, mas nunca se sabe, por isto vou dar algumas dicas:
O maior perigo esta nos lugares onde tem mais “ser humano” e são eles:
Próximo ao Hotel Feldmann= ao lado do trevo de acesso a Souza Cruz tem uma vila, evite parar nesta região. Passar pedalando não tem problemas pois os drogados não sabem que vai ter brevet neste dia.
Na passagem em Rio Pardo= se fosse de dia seria o transito, mas de noite e madrugada o perigo maior é algum bêbado e engraçadinho que queria se mostrar para o amigo que esta mais bêbado ainda. Parar no posto nunca tive problema, mas o perigo é quando se está passando.
Vento
Observa algumas das localidades enquanto pedala o brevet, você vai encontrar: Passo da Miséria, Coxilha do Vento, Coxilha do Fogo e outros. O percurso tem 195 km em uma direção ao sul e depois no retorno tem 195 km em direção ao norte. Se tiver vento o brevet será 50% com vento contra. Sem vento poderá ter muito calor. Se não tem vento antes do amanhecer ele poderá aparecer junto com a chegada do sol.

domingo, 26 de dezembro de 2010

Percurso brevet 400

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Lista de pre inscritos brevet 400

Lista de pre inscritos (sem confirmação de depósito)
Luiz Maganini Faccin? (brevet da organização)
Lidiane Tamara Lauermann?
(brevet da organização)
Cesar Augusto Pinheiro Barbosa- A confirmar presença!
Pedro Amaro de Castro Barcelos Castro ?
Dacivaldo Silva Matos ?
Paulo Carneiro Endres ?

Confirmados:
Isac Chedid Saud Filho
Luis Roberto Velho Lazary
Edson Behenck Alves
Udo Carlos Weissenstein
Diogo Berghahn
Carlos Raul dos Santos Calvete
Rubens Pinheiro Gandolfi
Rogério Carneiro
Luiza Schwab
Claiton Ketzer
Roberto Penna Trevisan
Alexander K. Gomes
Simone Barbisan Fortes
Andre de Souza Lima
Edimar da Silva
Selmar Saraiva da Silva Filho
Luiz Carlos Pereira
Roberval Pilatti
Rogério Lopes Missahia Marodim
Rafael Pereira de Castro
Jeancarlo Luis Theisen
João José Menezes Jardim
Guilherme Holdefer
Nilson Ricardo de Macedo
Klaus Rurack
Erich Brack
Gabriela Martin
Milton Della Giustina
João Gabriel de Moura Gonçalves
Alexandre Luis de Jesus
Jorge L Rovetto
Daniel Frehlich
Daniel Scartezini
Guilherme Kollet
Maiquel Deivit Herpich
OSWALDO GONÇALVES DOS SANTOS JUNIOR
Arnaldo Garcia Antunes
Goodymar Cunha Oliveira
Murilo Schneider

Atualizado dia 06 de janeiro 2011.

O ciclista deverá apresentar o comprovante de depósito.

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Inscrições brevet 400

A intenção é utilizar as inscrições com pagamento via boleto bancário, mas enquanto o sitema não esta funcionando as inscrições serão realizadas via contato por e-mail

Para realizar a sua inscrição entre em contato e-mail
gigiopazzo@yahoo.com.br

Você vai receber por e-mail as informações.
O pagamento deverá ser realizado via deposito bancário;
O valor da inscrição é de R$90,00
As inscrições serão até o dia 04 de janeiro;
A confirmação da inscrição será apenas depois da confirmação da realização do depósito.
Mais informações sobre o brevet de 400km serão publicadas neste blog, mas qualquer duvida não exite em entrar em contato.

Vale lembrar é bom não deixar para a ultima hora a reserva no Hotel Feldmann.

sábado, 11 de dezembro de 2010

Informações brevet 400 km- Janeiro 2011

Válido como classificatório para o Paris Brest Paris Randonneur 2011
Data= 08 e 09 de janeiro de 2011
Santa Cruz do Sul, RS
Organização Santa Ciclismo 980005

Largada e chegada no Hotel Feldmann
-----------------------------------------------------
Hotel Feldmann
Br-471 Km 131 Distrito Industrial
Santa Cruz do Sul, RS
Fones: 51-3719-1040
51-3719-1672
Contato Cleusa

Janta no Hotel= 12,00 ( Reunião Técnica)
Café da manhã a partir das 2:15 no dia 08 antes da largada
Diárias de 40,00 à 65,00 por pessoa.

Inscrições: no site www.faccinadventure.com.br e também no blog audaxsantacruz
Período para inscrições: abertura em breve e encerramento até o dia 04 de janeiro.
Valor da inscrição: R$90,00
Programação:
Dia 07 de janeiro
Das 19 até 19:45= Entrega termo responsabilidade e retirado do kit para o brevet;
Às 20 horas= reunião técnica com presença obrigatória para todos os participantes;
Dia 08 de janeiro
Às 3 horas= vistoria das bikes equipamentos e entrega passaportes
Às 3h e 30 minutos= largada.
Dia 09 de janeiro
Às término do tempo para a chegada= 6h e 30 minutos
Às 10h e 30 minutos= premiação.
Percurso:
Santa Cruz do Sul- Rio Pardo- Pantano Grande- Encruzilhada do Sul- Posto Fita Azul ( BR 392- município de Canguçu).
Retorno a Santa Cruz no mesmo percurso.

PCs e PAs

PA-1 = Km 49,90 = Raabelândia -Pantano Grande
PC-1 = Km 90,90 = Posto BR- Encruzilhada do Sul
PA-2= Km 158,90 = Bar do Neto antes da ponte sobre o Rio Camaqua.
PC-2 = Km 205,50 = Posto Fita Azul- Canguçu
PA-3 = km 251,00 = Bar do Neto- Rio Camaqua
PC-3 = Km 269,30 = Bar Silveira
PA-4 = Km 318,80 = Posto BR- Encruzilhada do Sul( restaurante até ½ noite)
PC-4 = Km 359,80 = Raabelândia -Pantano Grande
PA-5 = km 383,80 = Posto Dragão- Rio Pardo
Chegada= km 409,7 = Hotel Feldmann com o vigilante (tocar a campainha).

Horários dos PCs e outras informações em breve.

Porque Largada às 3:30?
Porque o restaurante em Encruzilhada atende até a 1/2 noite e o percurso tem poucas opções de alimentação. O horário é pensado para favorecer as opções de apoio aos participantes.
Porque este brevet não será organizado pensando no ponto de vista dos
mais lentos, mas dos que querem pedalar o brevet de 1200.
Porque largando às 3:30 o ciclista tem opção de dormir algumas horas antes da largada;
Porque no Paris Brest Paris 1200km o ciclista terá possivelmente a opção de dormir poucas horas, ou minutos, por noite;
Porque brevet em Janeiro?
Porque este brevet faz parte da série mais adiantada para os ciclistas que pretendem pedalar o Paris Brest Paris Randonneur 2011. Vai fazer sol e estar muito quente? Vai ter chuva? Então aproveita a oportunidade para treinar para o verão da França. Aproveite as dificuldades para aprender a enfrenta-las.

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Brevet ZERO

Realizou-se no dia 21 de novembro o Brevet Zero
Depois da Coca Cola Zero faltava o Brevet Zero



Data: 21 de novembro de 2010.
Percurso 302 a 310 km
Largada: 3:30
Carta de Rota: planilha excel com informações
Retirada dos passaportes no local da largada
Valor da inscrição: zero
Divulgação: zero
Apoio da Policia Rodoviária: zero
Autorização do DAER: zero
Apoio da organização nos PCs: zero
Veículos de apoio: zero
Medalhas: zero
Certificado: zero
Brevet válido pelo calendário ACP série 2011
Numero de ciclistas participantes: 11
Numero de homologados: 11
Numero das homologações estará disponível em:
http://www.randonneursbrasil.com.br/homologacoes

Foi muito mais que um Brevet Zero ou do que um brevet 300 km, foi um brevet de 300 km no dia seguinte ao brevet de 200. Dez dos onze participantes pedalaram os 500 km dos dois brevets. Quem sabe marcamos um 200 na sexta, um 300 no sábado e um 400 no domingo?
Foi um brevet que demonstra que existem várias maneira de se fazer a mesma coisa, no caso organizar um brevet, ou será não organizar? Perguntei para uma das participantes, qual a diferença entre pedalar um brevet organizado com estrutura nos pcs e um assim, sem estrutura? A resposta: nenhum, as dificuldades foram as mesmas e pedalei igual. Talvez a única diferença é que esquecemos de pagar o lanche no Pesque e Pague. Estávamos acostumados a apresentar a ficha fornecida pela organização, mas pagamos depois no retorno.
Talvez o que mude seja o Espírito Randonneur de quem participa.
Os participantes estavam pedalando da forma mais democrática possível, usando o próprio direito de ir e vir. Ninguém reclamou das bananas verdes no PC, pois não haviam bananas. Não faltou alimentação nos controles e pontos de apoio. Cada um pagou as suas despesas. Não faltou comprovação de passagem nos pontos do percurso.

Vídeo feito por César Barbosa

Fotos de Luiz M. Faccin e César Barbosa

Obrigado aos companheiros de pedal.

Existem várias maneiras de se fazer a mesma coisa e o brevet de 400km será da forma tradicional.

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Bermuda para longa distancia

Geralmente para pedalar longa distancia temos problemas com as partes do corpo que estão em contato com a bicicleta. Não é somente o contato, mas o longo tempo de contato o que pode ocasionar dores , assaduras ....O ciclista que já foi longe sabe o que é isto.
Já escrevi sobre o selim mais utilizado em longa distancia
Ler aqui:

Para quem pretende participar de um evento de ultra longa distancia, brevets de 1000, 1200 km ou mais , o uso de bons equipamentos é imprescindível.
Antes do Paris Brest Paris 2007 estudei as possibilidades para evitar assaduras pois podem se transformar em queimaduras e em um tormento insuportável. Seguindo as dicas fui preparado para usar bermudas usadas e devidamente testadas. Pretendia utilizar 3 ou 4 bermudas durante os 1200km. Cada bermuda deveria ser com um forro no formato diferente, assim se caso alguma provocasse assadura, a outra teria um ponto de mais contato em local diferente. A primeira seria utilizada até o km 445 onde teríamos um carro com apoio onde poderia fazer a troca. Foi o que fiz e cheguei lá com sinais de atrito excessivo. Usei uma bermuda velha e a coloquei no lixo logo depois da troca. Antes do Paris Brest Paris comprei uma bermuda da marca ASSOS modelo H FI Mille indicado para longa distancia. A qualidade da bermuda é incomparável com as de outras marcas, alem do forro com uma espessura e densidade diferente, não tem elástico na região da barriga e fica bem justa e adaptada ao corpo, sem ficar caindo ou escorregando entre você e o selim.
Ver modelo masculino

Modelo feminino

Em Loudeac, km 445 do Paris Brest Paris, coloquei a minha bermuda ASSOS novinha. A diferença de qualidade é muito grande e até o creme para lubrificação passou a sortir mais efeito pois não estava sendo absorvido tão rapidamente pelo forro.
Pretendia usar esta bermuda até o retorno ao pc de Loudeac onde teria novamente a oportunidade de substituir a bermuda. Notei que 9 entre 10 ciclistas utilizavam a mesma marca de bermuda ou então da marca Gore que utiliza o mesmo forro ASSOS. Os sintomas de assadura sumiram e na chegada a Loudeac decidi continuar utilizando a mesma bermuda e foi o que fiz até o final. Foram mais de 780 km utilizando a mesma bermuda e sem problemas. Foi uma grande ajuda e não sei como seria pedalar o PBP com a minha idéia inicial, nem pretendo descobrir como seria.
Depois do retorno descobri que existia um importador desta marca para o Brasil e pude testar outros produtos da marca.
O valor da bermuda é alto, mais de 2x o valor de uma boa bermuda de outra marca. Costumo dizer que vale cada centavo quando você estiver depois de 300 km ou a mais de 10 horas sentado no selim da bicicleta.
Atualmente não existe importador no Brasil para os produtos desta marca. Se você encontrar alguma bermuda ainda disponível, no tamanho, não perca a oportunidade, é investimento no conforto futuro.

Brevet 1000
Em 2009 pedalei o brevet 1000. O clima estava bem frio. Não tenho um guarda roupas dos sonhos, completo com todos os produtos Assos, resolvi usar uma calça de lycra sem forro sobre a bermuda da marca. Pedalei os primeiros 420 km com a minha velha bermuda Assos e depois utilizei uma bermuda novinha. Pude comprovar que a bermuda nova tem um funcionamento bem mais eficiente do que a já desgastada. Vale a pena reservar uma bermuda novinha para uso no Paris Brest Paris 2011.

Outras opções de bermudas.
Não tem opção igual, mas a melhor entre as principais marcas vendidas no Brasil é o modelo da Mauro Ribeiro Presia com o forro importado que tem uma boa densidade
Ver modelo!

Claro que é possível pedalar a mesma distancia com outra marca de selim, de bermuda ou até sem equipamento especifico para ciclismo, mas a probabilidade de enfrentar problemas sérios é bem maior.

Bons pedais confortaveis!

domingo, 28 de novembro de 2010

Brevet 400km

No próximo dia 08 de janeiro será realizado o brevet de 400km classificatório para o Paris Brest Paris 2011.
O percurso será o mesmo utilizado no brevet de 2009:

Carta de Rota Brevet 400 2009

As informações estarão disponiveis em breve.

Para participar o ciclista deverá ter concluído o brevet de 300km e as opções são:

Brevet 300km - 04/12/2010
Randoneiro Cristal - http://www.randoneirocristal.blogspot.com/
Responsável: Eberte Fabiano Tocantins

brevet 300km - 05/12/2010
Santa Maria Ciclismo - http://audaxsantamaria.blogspot.com/
Responsável: Julio Siluk

Boas pedaladas!

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Porque Pedalar o Paris Brest Paris?

O que te coloca em marcha?
Quem te faz fazer?
O que te obriga a fazer?

Para se reencontrar?
Para conquistar um status de aventureiro?
Para não morrer um idiota?
Por prazer?
Estes podem ser conceitos vazios.

Sonhar a viagem não tem nada a ver com a experiência em vista. A sua presença se faz cada dia mais imponente, tirânica e galvanizante. A própria inércia as vezes parece um circulo vicioso. Tudo nos ultrapassa e se implode fatalmente na imobilidade.

Pedalar de mais significa perder o senso, perder o pé ou pedal, parar de aprender, avançar um ponto de não retorno e não chegar nunca a nenhum lugar. Como se no fundo pedalar fosse só a parte mais fácil da viagem.

Nem sempre se pedala em boa companhia consigo mesmo e não se tem escapatória porque para girar a própria roda se é o eixo.

Alguns crêem que o ciclo turista seja dotado de poderes mágicos que lhe permitem superar obstáculos da estrada sem problemas.

No ocidente a oposição sedentário x nômade é um fundamento de nossa cultura. Deixar o mundo materialista pegando a estrada gera imediatamente numerosas reações como perplexidade, admiração, compaixão, medo, desdenho e às vezes indiferença.


A pergunta do titulo é minha, mas as frases acima foram traduzidas e copiadas do livro:Lo Zen e L’arte di Andare in Bicicletta de Claude Marthaler
No original estas frases não estavam nesta seqüência e nem assim consecutivas, mas vale ler todo o livro. www.ediciclo.it


Porque pedalar o Paris Brest Paris?
Quem tem que responder esta pergunta é o futuro participante do PBP2011.
Vai ser importante ter uma boa resposta que deverá ser dada a si mesmo enquanto estiver pedalando nos momentos difíceis. Respostas vazias não serão suficientes.
Tem que saber o que realmente quer e precisa querer muito. Tudo servira de motivo para permanecer na inércia, ficar parado, desistir, a ponto do esforço de pedalar ser a menor das dificuldades.
É a tua vontade que irá te levar adiante, principalmente nos momentos mais difíceis que são aqueles quando não se esta em boa companhia consigo mesmo.
Sonhar com a participação no PBP é uma coisa, mas a realidade pode ser bem diferente do imaginado, poderá ser imponente, tirânica e galvanizante. O Randonneur que completa o PBP não tem poderes mágicos e por isto precisa se conhecer, conhecer muito bem a bicicleta e as dificuldades a serem enfrentadas para conseguir vencê-las. A primeira dificuldade poderá ser a de sair da posição de sedentário e partir para a posição de nômade, mesmo enfrentando as reações imediatamente mais adversas.

Luiz M. Faccin

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Hospedagem em Santa Cruz do Sul

Muitos ciclistas estão enviando e-mails perguntando informações a respeito de hospedagem em Santa Cruz do Sul para o final de semana do dia 20, dia do brevet de 200 km. Para facilitar vale uma postagem no blog, mesmo que eu não seja o diretor do brevet. Em alguns brevets que organizei enfrentei dificuldades semelhantes e já sei que teremos dificuldades no futuro.
A questão é que neste final de semana será realizado o ENART http://www.enart.org/ evento que conta com a participação de milhares de tradicionalistas, e, em consequência disto, todos os hotéis de Santa Cruz do Sul, Vera Cruz e Venâncio Aires estão sem vagas para mais hospedagens.
Organizador não tem como prever, um ano antes, que na data escolhida será realizado um evento na cidade com a presença de mais de 30 mil pessoas e todos os hotéis estarão lotados.
Em um brevet de 200 que organizei teve um show do Padre Marcelo Rossi na cidade e todos os hoteis estavam lotados por conta disto.
No brevet do 600, que será realizado em fevereiro, haverá uma prova de Formula Truck no autódromo e os hotéis nem aceitam a possível reserva, que pretendia fazer para esta data. Eu vou ter que alterar o percurso e fazer como em alguns dos outros brevets, a largada em um local e os pernoites no 1/2 do caminho em outra cidade, no caso, longe de Santa Cruz do Sul.
Nossa cidade esta crescendo turisticamente por conta dos eventos: Oktoberfest, Enart, Stock Car, Formula Truck, Festa das Cucas... Nós ciclistas não somos tão numerosos, pançudos ou truculentos para enfrentar o pessoal da quatro rodas, quatro patas ou quatro canecas.
O organizador não consegue controlar todos os fatores da organização de um brevet e nem da estrada, apenas amenizar os efeitos, ou alertar. Não podemos alterar as datas dos brevets conforme os eventos indefinidos que surgem todos os meses.

Teve ciclista que consegui vaga no hotel, mas possivelmente porque fez a inscrição e reserva a alguns dias atrás.

Vou recortar a colar as palavras do Valim:
Será que vai ter ENART? (eles nem marcaram data ainda, falando de 2011) Será que algum hotel reserva pra mim agora quarenta quartos? e se a Stock Car for nesse fim de semana, será que eles manterão a reserva? Será que vamos ter quarenta inscritos? Ou vai ter um show do U2 ou sei lá quem em Porto Alegre e só vão correr o Audax daqui os ciclistas daqui os ciclistas da região e eu ficarei de cara no chão com o pessoal dos hotéis por não ter honrado as reservas?

Então temos que tocar do jeito que dá. Reservar hotel sem saber quem vem, estaria realmente acima de nossa capacidade organizativa - e financeira. Eu sempre abro as inscrições três semana antes do evento e ficam abertas duas semanas. Talvez dê pra abrir as inscrições dois meses antes, mas é claro que a carga de trabalho aumenta, porque estarei mais tempo envolvido a cada prova...e quem se organiza 2 meses antes para pedalar um brevet de 200?

Outra alternativa seria arranjar pouso em ginásio. Mas será que o público do Audax usaria este serviço? O público é variado, alguns certamente usariam, mas a maioria, creio que não, então não resolve o problema.
Marco Antonio Valim


Lista dos Hoteis sem vaga de Santa Cruz do Sul: Clique Aqui!

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Abertas as inscrições para o brevet de 200km

Dia 20 de novembro de 2010 em Santa Cruz do Sul

Audax 200 km no percurso tradicional dos brevets locais: Santa Cruz do Sul- São Jerônimo - Santa Cruz do Sul.

A largada será as 06:00 horas no Campus da Unisc em Santa Cruz do Sul e prazo máximo de chegada será as 19:30 horas.

Veja informações no site: Santa Ciclismo

Não perca esta oportunidade!
Brevet válido para a série 2011 e classificatório para o Paris Brest Paris

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Calendário 2011

Foi divulgado o calendário de brevets ACP 2011
Veja no site da organização:

http://www.randonneursbrasil.com.br/

Em janeiro e fevereiro teremos os brevets em Santa Cruz do Sul, que serão mais antecipados a fim de classificar os ciclistas para o Paris Brest Paris 2011.
A série classificatória já esta iniciando.

Boas pedaladas

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Relato 1001 Miglia-Isac

Objeto de desejo entre os maiores randonneurs do mundo, o 1001 Miglia Itália, mostrou-se digno de sua reputação. Em sua primeira edição, aberta aos randonneurs do mundo todo, teve um circuito espartano fazendo com que seus participantes mostrassem destreza e muita técnica. Digo assim pois, tive a grande oportunidade dessa conquista.
O meu, era participar de um brevet internacional que apontava para algumas provas na América do Norte até que, o pessoal do Audax Randonnee Italia, me convidou para participar do 1001 Miglia 2010. Resolvi aceitar o desafio e, logo, me inscrevi.
Ao comentar com meu amigo Rubens, esse se mostrou interessado e cedeu a tentação. Lá estávamos, os dois, trocando informações sobre o grande brevet. Então, vieram os treinos, brevets preparatórios e exames de rotina treinado normalmente, como de costume. Ao contrário do Rubens, nunca fui muito metódico (heheh). Minha intenção era participar do evento e aprender o que pudesse. Mas acima de tudo viver aqueles momentos intensamente. A conquista seria uma conseqüência que brindaria meu esforço e dedicação.
Após uma recepção calorosa dos nossos anfitriões, pudemos curtir a província de Milão antes de iniciar o grande desafio. Horas antes do início do brevet, fomos recebidos em um gracioso monastério que fica no centro de Nerviano. Neste foram distribuídos, os “Kits” para o brevet. Enquanto aguardávamos nossa vez, pude conversar com muitos Randonneurs que ali se apresentavam. Muito simpáticos, se mostravam solícitos e prestativos. Eu estava orgulhoso e realizado, pois, eu estava ali, com os maiores Randonneurs do ciclismo mundial de longa distância. Ao mesmo tempo em que, fui conhecendo os participantes e voluntários, pude observar as incríveis bicicletas de cada um. Ao contrário do que se vê em brevets regionais ou, até mesmo no PBP, aquelas pérolas eram ultramodernas. Poucas e muito charmosas, eram no estilo tradicional (matéria prima e design). Não posso deixar de comentar sobre o Rubens que, deslumbrado tanto quanto eu, não sabia ver qual bici era mais bacana. Aos poucos, fomos nos envolvendo com tudo e com todos.
Com um início em trajeto plano e dedicado ao Rio Po, pudemos apreciar as graciosas estradas vicinais rodeadas de campos, arrozais e plantações de acácias. Embora à noite, atravessamos a cidade que deu luz a Verdi, Busseto. Pelas vilas por onde passamos, podia-se ouvir musicas ecoando das pousadas e tavernas. Conforme andávamos, podíamos ver os famosos diques de contenção de água construídos na antiguidade. A empolgação e a ansiedade eram grandes e, isso, fazia com que eu pedalasse em alta sempre. Eu e o Rubens, às vezes gritávamos “mimimimimi” um para o outro, checando se ainda estávamos juntos… ninguém entendia nada…devem ser loucos pensavam. Ainda nesse trajeto, passamos por cidades onde viveram, o famoso pintor Antônio Ligabue que era famoso por suas pinturas extravagantes (naif) e, o escritor Brescello Guareschi (Don Camilo e Peppone). Em estradas que passam por uma planície, onde a família deste governou por muito tempo, pudemos deslizar por estradas retas e sem curvas de até 18Km. No caminho, cidades visivelmente belas nos acolhiam cada uma, com suas particularidades. Aos poucos, vou conhecendo os ciclistas e reencontrando alguns que conheci horas antes do brevet.
Fim das planícies, agora era hora de subir, e muito! Ao pé das montanhas, pude saborear frutas suculentas e variadas (uvas, melão, ameixas, maçãs…), colhidas das plantas. Após 22 horas pedalando, chegou o momento de descanso, o trajeto foi gostoso e rápido.
Com muitas subidas e descidas, a segunda etapa mostrava-se desafiante. Com os melhores pontos de vista, das colinas da Toscana, a paisagem era de tirar o fôlego. Para sublinhar o empenho nessa etapa basta comentar que, nessa região de altitude e beleza, São Francisco de Assis retirou-se para meditar e, Bartali, treinou intensamente para desafiar o mito e rival Fausto Copi. Enquanto pedalava nesse trajeto, a correia da minha bici quebrou. O pior de tudo foi que, eu não encontrava um pedaço dela para arrumar, o que eu tinha de reserva, era pequeno demais. Enquanto olhava frustrado, aquela paisagem incrível, rodeado por videiras e, os morros da Toscana, costurados por estradinhas vicinais, aparece um senhor perguntando o que havia acontecido. Muito prestativo, pediu que eu o aguardasse alguns minutos que ele encontraria uma solução e me poria na prova novamente. Cerca de vinte minutos após, ele aparece ao longe, girando uma corrente de vici comose fosse laçar um bicho. Sorrindo ele me diz que encontrou a solução - Questo non è lo stesso come il tuo, ma è Campanholo e molto buona per ritornare a il brevetto. Ele dizia que não era igual a minha corrente mas me colocaria no brevet novamente. Feliz da vida e agraciado por este senhor, perguntei qual era o custo de toda a gentileza... ele pediu para que eu segurasse a bici dele enquanto ele dava uma volta para curtir a minha ( e ver se estava tudo ok). Qual o problema? ...pensei. Ele sai sorrindo em disparada, cantando, e some no horizonte com minha bici. - Pronto! Agora fui sacaneado por um velhaco que me fez de trouxa. Consertou minha bici e se mandou com ela. Pensava até na vergonha de contar isso aos outros. Por alguns instantes o drama e suspense havia se instalado em minha mente. Mas, alguns minutos depois, às minhas costas escuto aquele maluco cantando e gritando meu nome vindo pelo outro lado. Rindo, e me corneteando porque eu havia pensado que ele fugiria com minha bici (heheheh). Passado o susto e a brincadeira, ele me pede que eu o siga até sua casa que ficava no caminho. Ao chegar lá, ele abriu a garagem de sua mansão e logo tudo se esclareceria. Como um Anjo, Angel Litti, me salvou a pele. Este senhor, de cerca de 72 anos, foi um grande ciclista italiano que, como muitos, teve que interromper sua carreira para assumir os negócios da família. Me levou para ver sua relíquias e pequeno acervo pessoal, fora a Lamborghini e a Ferrai que haviam em sua garagem. Bom, esqueci do tempo e o estava fazendo ali. O cara tinha um paraíso dentro da garagem. Seja de ciclismo ou mesmo, seus super carros... isso sem falar na casa que, se dependesse dele, eu ficaria por ali (eheheheeh). Tenho que voltar ao brevet. Exclamei a ele com tom preocupado. Ele compreendeu e me encaminhou acompanhando-me por parte do trajeto cobrando-me noticias e visita em breve. Descendo por estradas extremamente sinuosas (como vemos no Giro), descemos até a cidade de origem de Michelangelo, Caprese. Seguindo por altos e baixos, passamos por incríveis castelos, cidades medievais, catedrais e o famoso Rio Tibre. Foi nessa etapa meu primeiro teste de destreza. Por imprudência e desatenção, consegui me perder errando feio o caminho. Estava cerca de 3 horas fora da rota, tentando voltar a prova. Aqui eu me separo do Rubens e passamos a seguir em tempos diferentes. Consegui, por meio de uma estrada paralela, voltar a rota chegado ao meu destino, para descansar o suficiente e retomar o brevet. Nesta etapa, paguei caro com cansaço e menor tempo para descansos a partir daí.
Em companhia de dois super-randonneurs ingleses (Adrian e Cris), tive, na terceira etapa, um inicio com muito esforço mas compensado pela bela vista do Lago Bolsena e rebanhos de ovelhas cruzando meu caminho freneticamente. O território era sempre montanhoso e difícil enquanto cruzava a região dos antigos Etruscos. Embora cansado, os vários castelos que via não eram alucinações, faziam parte de uma região contada nas fábulas que correram o mundo todo. Um trajeto rodeado e isolado pela natureza. Uma paisagem impar e retratada nas maiores obras de arte já vistas. Nos campos, a beira da estrada, vinhas, de onde o néctar e aroma das uvas era sentido. Era a região de Montalcino, onde se produz o melhor vinho do mundo. Finalizei da etapa com bastante desgaste físico e, a dívida com o tempo de descanso.
Recomeço em trajeto desafiador acompanhado pelos napolitani Carlo e Giancarlo (parece dupla musical, né?), que nos transportava por colinas sob o desafio sucessivo de subidas e descidas fortes até avistar a medieval San Gimignano que, após ultrapassada, entrava-se novamente em contato com o meio urbano e de grande logística industrial até Montecatini, famosa por suas fontes de água termal. Um descanso com sono para compensar os atrasos, por erros de rota, e retomada passando por regiões que fazem conexão com a Toscana e a história de Pinóquio.
Enquanto arrumo minhas coisas para partir, recebo a companhia de três ciclistas bem legais: Veronica(EUA), Hamid, um persa que vive nos EUA e o alemão Wolfgang.
Depois da bela e encantadora Castelnuovo Garfagnana (cidade medieval), que estava em festa ao cruzarmos seu interior, escalamos uma série de curvas e contracurvas, atravessando pequenas cidades que, se podia escutar o som das comemorações que ecoavam pelas montanhas. Subíamos muito e sinuosamente, o que nos exigia um esforço físico e psicológico imensurável. Chegamos ao nosso limite, eu e mais os três superciclistas que estavam comigo. Ainda havia fôlego para seguir mas, preferiram dormir um pouco em um recanto para recompormos nossas energias e seguir adiante pois, subiríamos nessa etapa, 80km. Lembro que Verônica sugeriu que dormíssemos em um carro que, por ventura, pudesse estar destrancado - Está biruta, pensamos… e não é que ela encontrou um!! Que loucura…um Palio quatro portas que nos serviu de abrigo naquela noite fria e exaustiva. Após 40 minutos de sono, recomeçamos nossa escalada exaustiva até chegarmos a Aulla sob a brisa fria do Mar da Liguria. Estávamos ao lado do Mar.
Após um cochilo de recuperação partimos ainda antes do sol nascer. Meu grupo se adiantou um pouco e, acabei barrado na cancela do trem que passava ao amanhecer. Ao mesmo tempo, tive a companhia de meus amigos russos (Nicolay e Anton) que havia passado ha algum tempo. Seguimos por uma Estrada que parecia uma subida sem fim. Embora não houvesse a sensação de subir, tentava soltar a bici por alguns instantes para descansar as pernas mas, ela não andava. Claro, eu estava subindo. Era tão longo o caminho que eu só percebia o quanto subira quando parava algumas vezes e olhava para trás. Uma floresta Linda que muitas vezes me lembrava o caminho de Santa Giustina em Caxias do Sul - Aliás… todo o trajeto lembrou-me nossa serra porém, sem as cidades medievais ou as vinhas em posição vertical. Pedalei uma última empinada da montanha até que avistei a primeira placa de Cinque Terre. A Estrada passava por um conjunto de falesias na floresta. Em alguns pontos, parecia oferecer uma visão do paraíso: o céu, penhascos, florestas e mar, que fazem parte do Parque Cinque Terre. Esse trajeto era realmente lindo, mas muito duro. Enquanto me deslumbrava com as visões do litoral mediterrâneo, exaustivamente escalava e descia montanhas com variações de 5 e 8 km de extensão. O calor era intenso e desidratante. Nesse trajeto precipitei-me ao descer em Buonassola, pensando que, por ali poderia chegar a Deiva Marina pela costa. Ainda deslumbrado e seduzido pela paisagem, reconheci um Muro de contenção que é famoso na passagem do Giro Dítalia (Viva Giro). Aproveitei para descansar antes de descer e sacar uma foto em frente ao arrimo.
Desci até a praia e percebi que havia me enganado. Deveria voltar para chegar a Deiva. A escalada era muito espartana então, relaxei e aproveitei para tomar um banho de praia - Já que errei, vou ao menos, curtir! Banho tomado e almoço feito, retomei minha pedalada até meu destino. A escalada foi realmente dura e exaustiva. Não havia me lembrado de repor a água que eu tinha e tive que ir bebendo com cautela. Erro de principiante mas, acontece. Com goles medidos, pus-me a escalar naquele calor escaldante - Só o que gastei de energia para voltar ao trajeto normal, foi o suficiente para gastar meu querido almoço e “relax” na praia … Azar …vamos nessa!
Com algumas paradas para repor as energias, e alguma possível assadura, cheguei a Deiva Marina. Um bom lanche e soninho para recuperar-se para a última etapa.
Com um pouco de pressa meus amigos, que eu havia alcançado partiram. Eu ainda precisava repor água e alguns detalhes. Feito isso, retomei meu caminho. Parti sozinho e era o último a sair dali. Era o lanterna do brevet (hihihi). Escalei por uma estrada paralela à “highway” que se via logo abaixo da montanha que eu subia. Subi muito (12km) até que encontrei a estrada que levava a Genova. Muito movimentada, parti do topo em descida plena - Essa parte era boa! Apenas deslizava com minha bici a toda velocidade serpenteando aquelas montanhas. Chegava ao ponto de andar colado as motocicletas e carros que desciam junto. Imprudência de minha parte, mas, adrenalina também vale em randonnee.
Esse trecho se tornou desgastante, quando cheguei a um cruzamento com setas que haviam sido riscadas (como um X) e refeitas ao lado, apontando par o lado oposto – E agora? Pensei… será que era alguma sacanagem de algum residente ali daquela cidadela por onde eu passava? Tomei informações com uns rapazes (muito simpáticos e prestativos) que logo informaram como chegar ao meu destino.
Conseguinte a isso segui meu rumo até Casella passando por uma estrada montanhosa e deserta. Sozinho, sentia algo estranho e vazio. Um momento de agonia e solidão que me faziam pensar o quê, realmente eu estava fazendo ali. Não quis procurar respostas… nem havia como. Apenas segui pedalando até encontrar os túneis que os rapazes haviam comentado. Tomei o rumo até o próximo Check Control (PC). Chegando em Casella, apareceu o MAX (voluntário e organizador) gritando meu nome como um doido. Estava preocupado, pois pensava que eu havia me perdido (talvez naquele cruzamento das indicações refeitas). Escoltou-me até o PC onde pude encontrar meu grupo de pedal, Hamid e Wolfgang. Soube ali que Verônica, havia saído ha algum tempo e eles estavam prestes a desistir. Nos recondicionamos um pouco e saímos juntos uma vez que, eu havia insistido com eles para que terminássemos juntos.
A última etapa foi cruel. Cansados e com a cabeça sem pensar direito, tomamos nosso destino final. Em Corso Trento Trieste, estávamos exaustos e com muito sono. Não agüentava mais ficar acordado sobre a bici. Resolvemos descansar um pouco, minha primeira vez como indigente. Sob a marquise de uma edificação dos anos 60, em meio à arquitetura antiga da cidade, descolamos alguns papelões que, pareciam estar ali de propósito. Encostamos-nos, em um canto cada um, e dormimos por 40 minutos no frio. Acordamos mais dispostos e loucos para terminara o brevet. Partimos em direção a cidade do mito Fausto Copi. Deveríamos tirar uma foto nossa na cidade para provar que passamos por lá. Chegamos a uma bifurcação e decidimos tomar uma das vias. Chegamos à cidade do cara, mas não encontramos o seu museu, ou mausoléu. Apenas uma casa que parecia ser o museu. Sacamos algumas fotos e seguimos adiante. No asfalto, era possível ver escritas que prestavam homenagens a Copi. Eram muitas e, demarcavam um suposto circuito de ciclismo daquela região. Deitamos as bicis no chão e sacamos fotos ali também. Logo, chegamos ao centro da cidade e paramos em frente à Prefeitura (acho que era isso). Além de garantir algumas fotos, decidimos dormir um pouco antes de finalizarmos nosso brevet. Era muito frio, acordamos gelados e molhados do sereno. Aquela é uma região que neva forte no inverno… tire uma media! Com frio e chacoalhando as bicis, partimos em direção a Nerviano. Aos poucos, o sol ia nascendo e aquecendo nosso corpo que, já não respondia como queríamos. Famintos e, costeando o vale do Rio Po, estacionamos para comer. Era cedo, e havíamos cruzado por vários ciclistas enquanto pedalávamos. Por entre campos e arrozais a paisagem era linda sob a luz da manhã. Na região de Pavia, acontecia uma etapa do campeonato italiano de ciclismo. Nós claro, ignorávamos isso até que, ao cruzar um pequeno povoado, atravessamos a linha de largada de um pelotão profissional que vinha na mão contraria. Cena de filme cômico em que as câmeras voltaram-se para aqueles três patetas que haviam invadido uma prova de ciclismo. Apenas fomos identificados como os trapalhões do Miglimiglia… nossas placas nos entregaram. Logo adiante, cruzamos com outros pelotões e Hamid, sem raciocinar direito (ou quase nada), rasgou o mesmo entendendo que, Eles, é que estavam em nosso caminho. Eu e Wolfgang jogamos as bicis para for a da pequena estrada que era tomada por esse pelotão. Assistíamos deslumbrados enquanto Hamid recebia cotovelaços, cabeçadas e pontapés em meio ao pelotão desmontado (fora o que a mão dele recebeu de adjetivos). Na verdade, foi muito engraçado passar por isso já no final de tudo. Parecia uma cena de filme que por alguns instantes, nos recarregou de energia e emoção, estando próximos da linha de chegada. Aos poucos podíamos reconhecer alguns trechos que, dias antes, eram nosso ponto de partida. Até mesmo as garotas de programa, à beira da Estrada, já nos conheciam e acenavam gritando o nome do Hamid (hihihi). Após a última curva, lágrimas enchiam meus olhos por estar conquistando um ultra brevet. Ao entrarmos no parque de chegada, ouvíamos os gritos e as palmas pelo feito. Uma emoção impar e sem descrição. Somente vivendo isso para entender o que se sente. Os organizadores e companheiros de pedal correndo para cumprimentar e saber como havia sido… minha esposa, companheira incondicional por todo o trajeto vindo me receber é impagável. O reencontro com os companheiros que fizemos e conquistamos pelo caminho e, principalmente com o querido Rubens ( Mimimimi) e sua incrível Joana. Distanciamo-nos um do outro por minhas trapalhadas. Mas emocionado, soube que estava sempre preocupado comigo querendo saber por onde, ou como, eu estava.
A todo momento que participava, por várias situações, lembrava de cada companheiro de brevets no Brasil, como se estivessem comigo. Queria muito que todos pudessem ter esse privilégio de participar de uma prova assim. Também, aprendi muito nesse brevet observando como os outros praticavam. Entendi como se organiza para um evento desse porte e, o principal de tudo que, não importa o quanto você se prepare, imprevistos acontecem e, devemos saber lidar com eles. O maior segredo disso é ter seu inconsciente trabalhando a favor. Sempre pensei em fazer isso me divertindo, querendo muito à conquista, mas bem resolvido caso não conseguisse. A idéia era aproveitar ao máximo, conhecendo as pessoas, os lugares e tudo que houvesse por lá. Conquistar o brevet, era apenas uma conseqüência que coroaria essa incrível experiência – Que bala, assinei meu nome no topo da lista!

Ver Fotos Aqui!

Isac Chedid Saud Filho!

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Brevet 200 km - Santa Ciclismo

Confirmado o brevet 200 km no dia 20 de novembro de 2010 em Santa Cruz do Sul.

A largada será as 06:00 horas e prazo máximo de chegada as 19:30 horas.

Este brevet será valido para o calendário de 2011 e será classificatório para o Paris Brest Paris Randonneur 2011.

Maiores informações e inscrições estarão disponiveis no site
www.santaciclismo.com.br

Continue pedalando!

domingo, 26 de setembro de 2010

Regulamentos publicados

Novos regulamentos foram publicados no site da organização dos Brevets Randonneurs Mundiais Brasil (Randonneurs Brasil).

Não deixe de ler:

http://randonneursbrasil.com.br/regulamentos

sábado, 18 de setembro de 2010

Os Audaxes

Esclarecendo algumas duvidas que existem.

Audax:
http://www.audaxbresil.com.br/
http://www.audaxbresil.blogspot.com/
http://www.audax-uaf.com/

Pedalado em grupo com média de 22,5 km/h, mas também existe Audax Marcha, Natação, Remo..
Andamento imposto
Existe principalmente na França, Bélgica, Alemanha, Espanha ( Europa). Fora da Europa: Austrália, Brasil. Em breve nas Filipinas e outros. Já existiu nos Estados Unidos, mas atualmente não tem mais organizações por lá

Audax = Randonneur
Na realidade são Brevets Randonneur Mundiais= BRM
Também chamados de Audax aqui no Brasil
http://www.randonneursbrasil.com.br/
http://randonneurs-brasil.blogspot.com/
http://www.audax-club-parisien.com/FR/
Andamento livre
A modalidade mais praticada aqui no Brasil e no mundo. Existe em mais de 40 paises.
Existe dezenas de outros blogs e sites de organizadores de BRM.

As diferenças
Ler os regulamentos, mas melhor mesmo é pedalar as duas modalidades e tirar as próprias conclusões se um é melhor ou pior do que o outro. Afirmo que os dois são bons, mas não são iguais.

Dica de leitura:
Blog pespracima

Outras dicas
Se você não quer ficar mais confuso,quando for pesquisar alguma coisa em português sobre Audax, Randonnée, Randonneur, brevets, preste a atenção e veja se o site não é de Portugal.
A confusão por lá é muito grande.
Os Desafios Audace ( e outros nomes) da Federação Portuguesa não são homologados e não são validos por nenhum calendário oficial nem UAF e nem ACP. Os eventos desta federação não são brevetados e nem homologados e não são validos para participar de outros eventos como por exemplo o Paris Brest Paris 2011 da ACP ou Audax da UAF.
Você não encontra os eventos da federação em nenhum calendário oficial pode pesquisar em:
http://www.audax-club-parisien.com/FR/
ou
http://www.audax-uaf.com/

Em Portugal ainda não existe organizador de brevets Audax, mas já existe organização de Brevets Randonneurs Mundiais. O Nome do representante ACP em Portugal é Pedro Alves e o blog é:
http://adinamicadopedal.blogspot.com/

Divulgue estas informações corretas para os ciclistas em Portugal e ajude ao ciclismo a se desenvolver corretamente por lá também

Exemplo de confusão
Não tente entender.

Jornal Ciclismo

www.fpcub.pt

Regulamento misturado. Melhor nem baixar para não se confundir!
http://www.fpcub.pt

Wikipédia
Mais uma fonte de confusão:
Duas palavras com o mesmo significado errado.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Audax

http://pt.wikipedia.org/wiki/Randonneur

Se quiser pesquisar o que é Audax e Randonneur na Wikipédia pesquise em Frances:

http://fr.wikipedia.org/wiki/Audax

http://fr.wikipedia.org/wiki/Brevet_Randonneurs_Mondiaux

A internet é muito util para pesquisar, mas algumas vezes é muito dificil saber quais são as informações corretas.

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Fotos Fleche 2010

Não esta morto quem peleia!

O ciclista Paulo C. Endres divulgou as fotos realizadas na Fleche Santa Ciclismo.
Fotos da equipe Santa Ciclismo 2 que largou em Torres.
Ver as fotos!

Demorou para aparecer, mas as fotos ficaram boas.

Valeu tio Endres!

domingo, 5 de setembro de 2010

Relato 1001 Miglia 2010- Rubens Gandolfi

O relato completo do 1001 Miglia escrito por Rubens Gandolfi
está disponivel no site www.santaciclismo.com.br

Para ler: Clique Aqui!

Obrigado Rubens e boa leitura

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Brevet 1000 avant Paris Brest Paris

Depois de pedalar o PBP 2007 muitos ciclistas, durante os brevets de 200km, me diziam: “você já pedalou 1200 e agora pedalar 200 deve ser uma brincadeira”. Com certeza pedalar 200 é bem mais fácil, quase uma brincadeira, mas ter pedalado 1200 não faz com que a bicicleta ande sozinho e é preciso pedalar, enfrentar as subidas, o vento. Posso furar pneus, ter problemas, passar mal e ter dificuldades como qualquer outro ciclista, talvez esteja mais acostumado a enfrentar estas dificuldades e isto faça diferença.
Então, quem já pedalou um 1200 ou mais, não tem garantida a medalha do PBP 2011, mas tem mais conhecimento do que é preciso para conseguir. E quem completa um brevet 1000km? Também não tem a medalha do PBP garantida, mas tem uma experiência importante.
Então, precisa pedalar o brevet 1000km antes do Paris Brest Paris?
Este ano: já escrevi que nós brasileiros estaremos dispensados de pedalar brevets este ano para garantir vaga em 2011. Leia o texto no site: http://www.randonneursbrasil.com.br/
Pedalar o brevet 1000km este ano é bem importante como experiência, mas como treino não serve pois está longe.
Em 2011?
Eis a questão: porque pedalar o brevet 1000 algumas semanas, ou poucos meses, antes do Paris Brest Paris?
Quando estive com o Bruno Danielzik presidente da UAF- ( União dos Audax Franceses) ele comentou: “muitos franceses desistem no Paris Brest Paris, e principalmente franceses, mas não é por falta de treino e sim por excesso. Pedalam muitos brevets e muitos giros longos, todos os finais de semana. Quando chegam no PBP desistem por fadiga, tendinite, problemas musculares e outros que não estariam enfrentando se tivessem dosado melhor os treinos e deixado períodos maiores de descanso”.
Vamos lembrar a série de 2009 quando tivemos o primeiro brevet de 1000 km aqui no Brasil. Sem citar nomes, mas apenas alguns casos:
- Um ciclista teve tendinite depois do brevet de 600 km e não pode pedalar o brevet 1000 km;
- Uma ciclista teve problemas musculares e desistiu devido a dor durante o brevet 1000;
- Outro ciclista teve problemas ósseo, se é que posso escrever assim pois não sei os termos médicos corretos, e desistiu no brevet 1000 devido a dor;
- Um ciclista teve problemas de sensibilidade nas mãos e até hoje (ago2010) enfrenta problemas;
-Eu tive prostatite após o brevet 1000. O problema não foi exclusivamente o brevet 1000, mas foi um agravante;
- Fiquei sabendo por informações de um amigo que até o ciclista que mais pedala periodicamente tem seqüelas do brevet 1000.
Não comento a possibilidade de quedas e acidentes pois nisto temos também risco nos treinos.
Eu acredito, melhor, sei que é possível pedalar mais de um brevet 1200km por mês e sem ter problemas físicos. Até acredito que seja melhor pedalar um 1200km por mês e sempre estar apto a pedalar o próximo, mas tenho que ver a realidade, minha, e da grande maioria dos brasileiros que pretendem ir ao Paris Brest Paris 2011. Não somos ciclistas de tempo integral, não somos profissionais, se assim fosse não seria tão bom.
O Paris Brest Paris é bom porque é na França.
O Paris Brest Paris é bom porque é a cada 4 anos.
Quem esta focado no PBP deve pensar em completar o PBP.
O brevet 1000 teremos mais oportunidades, o PBP, nem tanto.


Luiz M. Faccin
Set 2010.

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Mais fotos 1001 Miglia

A organização do 1001 Miglia disponibilizou um arquivo com fotos para download
http://www.megaupload.com/?d=3KRR54JK

É interessante ver alguns detalhes da organização, bikes utilizadas etc

Eu selecionei as fotos dos brasileiros e coloquei no Picasa.
Quem quer ver apenas as fotos dos brasileiros pode Clicar Aqui

Vamos aguardar algum relato.

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

1001 Miglia- Fotos

O Daniel Sikar
Disponibilizou algumas fotos do 1001 Miglia
Ver Aqui

Também tem algumas que a Grace esta postando no blog

Ver Aqui!

Não deixe de conferir

domingo, 22 de agosto de 2010

1001 Miglia- Rubens escreveu

E aí pessoal,

Ainda um pouco cansado, algumas impressões da prova.

Como disse o Daniel (que tive a satisfação de conhecer em um dos PCs), mais do que uma prova Randonneur, um passeio pelo que a Itália tem de mais belo. Dava vontade de ficar em cada lugar. Quer conhecer a Itália, vá para o interior.

Sem construir frases, alguns aspectos:

1- Prova dura com muiiiiiiiitas montanhas.

2- Grande facilidade de sair da rota (recebemos um roadbook)

3- O GPS me salvou, apesar de o equipamento não ser bem visto pelos randonneurs da velha guarda, que pregam a auto suficiência e orientação.

4- Asfalto de excelente à péssimo.

5- Motoristas altamente educados, não sofri nenhum susto.

6- Apenas um pneu furado.

7- Primeiros 391Km em 16 horas, antes das montanhas, eheheheh.

8- Muiiiiiito quente.

9- Medalha muito linda, deeve pesar meio quilo.

10- Presença esmagadora de speeds, seguida de randoneiras.

11- Um fixeiro maluco. Ele chegou.

12- Alguns reclineiros, não mais que 10.

13- Em torno de 15 mulheres, pedalando em alto nível.

14- Alguns PCs excelentes, outros péssimos.

15- Total de PCS: 19 + 01 surpresa

16- Passamos pelas montanhas do Giro e monumento de Fausto Coppi: fantástico.

17- To inteiro, fiquei surpreso.

18- Não agüento mais comer pizza e massa. Tomei muitas birras durante a prova, surge um novo discípulo do Klaus.

19- To subindo até coqueiro de bike.

20- Puxei um pelotão de italianos (isso nenhum cartão de crédito paga).

21- Ciclista na Itália é celebridade, e eles cultuam muito a história do ciclismo.

22- Um bom equipamento faz a diferença.

Valeu Rubens

1001 Miglia- Isac completa o brevet

Às 11:25 da manhã de hoje, horário Italia, o ciclista Isac Chedid Saud Filho, chegou a Nerviano, completando os 1625 km do 1001 Miglia 2010.

Parabens Isac!

O Brasil esteve muito bem representado no 1001 Miglia.
Três ciclistas e três brevetados.

Podem pensar o que quiser, mas estou feliz em saber que o nosso pequeno grupo de pedal, que quase sempre pedala junto nos brevets, tem mais dois ultra randonneurs.

E vamos para o PBP 2011!

Até breve!

Luiz M. Faccin

sábado, 21 de agosto de 2010

1001 Miglia- Rubens Gandolfi completa o brevet

O ciclista Rubens Pinheiro Gandolfi chegou a Nerviano km 1625 completando o 1001 Miglia. A chegada aconteceu às 23:45 deste sabado, horário Italia. Rubens completou o brevet em 5 dias, 2 horas e 6 minutos



Parabens Rubens!
Agora temos o 11º ciclista brasileiro a completar um brevet de 1200km ou mais.

O 12º ciclista ainda esta pedalando e chegou no PC de Casella Ligura (km 1436)às 22 horas. Faltam 189 km e o Isac tem 14 horas para fazer este percurso.

Força Isac!

1001 Miglia- Daniel chega a Nerviano 1625

O brasileiro Daniel Sikar chega a Nerviano 1625 km e conclui o 1001 Miglia às 17:57 horário Italia.

http://www.1001migliaitalia.it/riders/riders_ride.php?page=5&ci=6

Parabens Daniel
Já tens um LEL 1400 km e um 1001 Miglia 1600km.

Isac ainda não apareceu na lista dos ciclistas que chegaram em Casella Ligura 1436 km. Duzentos e treze ciclistas ja chegaram lá.


Vamos aguardar também a chegada do Rubens a Nerviano.

1001 Miglia- Daniel e Rubens no Km 1436

Casella Ligura- 1436 km

O Daniel Sikar foi o primeiro brasileiro a chegar 8:49 de hoje dia 21
O Rubens Gandolfi chegou às 10:48
Isac- ainda sem noticias.

Daniel
Levou 36h e 9 minutos do km 995 até o 1436
441 km em 36h sem desconto do tempo parado. Neste intervalo ele deve ter dormido durante algum tempo o que significa que esta pedalando bem.
Agora tem 27h para pedalar 189 km.

Rubens
Levou 41h e 56 minutos para fazer os 441 km, mas temos o horário de saída do PC do km 995.
Descontando o tempo de parada no PC 995 o Rubens precisou de 34h e 48 minutos para completar os 441 km. Também esta pedalando bem.
Agora tem 25h para pedalar 189 km.

O principal é que agora, ainda falta muito, mas os ânimos ficam favoráveis.

Falta o Isac!!

1001 Miglia- Casella Ligura 1436 km

O próximo ponto com marcação de passagem dos ciclistas no site do 1001 Miglia é em em Casella Ligura no km 1436 do brevet.
Levando em consideração que os brasileiros levaram aproximadamente 19 horas para percorrer os 219 km até o PC do km 995, podemos ter uma idéia do tempo que as informações sobre a chegada de algum deles no próximo ponto vai demorar para estar disponivel.
São 441 km de intervalo de brevet para novas informações. O Rubens partiu a zero horas do dia 20 e deve levar mais de 35 horas para chegar no km 1436. Talvez neste sabado de manhã tenhamos alguma informação.
Enquanto os brasileiros pedalam os ultimos 600km do brevet 1001 Miglia, muitos ciclistas estarão pedalando o brevet de 600km de Porto Alegre.

"Não é raro ver que depois de tempo que o homen marcha ele nem se pergunta, porque a marcha, como marcha, se marcha, se melhor pode marchar, o que faz marchando, se ele havia meio de impor, de trocar, de avaliar sua marcha. Questões que tem em todos sistemas fisiológicos, psicológicos e politicos quando ocupado no mundo"
Honorè Balzac.
Traduzido e copiado do livreto: Le goût de la marche.

Que os brasileiros estejam pedalando sem estas questões e realmente vivendo os momentos unicos de pedalar, seguir...Quando tudo se resume em coisas simples e não se tem necessidade de questionar sobre nada, tudo esta em continuar, quando se tem a sensação que tudo o que existe, existiu e existirá é pedalar, seguir...Mais nada, bike, ciclista, estrada.


Luiz M. Faccin

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

1001 Miglia- Tempo e distancia

Analisando as informações disponíveis
Daniel Sikar
Chegou ao km 776 às 4:00 e chegou no Km 995 às 20:40
São 16h e 40 minutos para percorrer 219 km.
Não resolve calcular a média, pois neste período provavelmente teve algum tempo de sono, mas se pode ter uma idéia do progresso do ciclista. Se tivéssemos acesso ao tempo de todos os pontos de passagem como no Paris Brest Paris, seria mais acertado qualquer palpite.
Isac
Chegou ao Km 776 às 4:10 e chegou no km 995 às 22:45
São 18h e 35 minutos para percorrer 219 km.
Um tempo maior do que o tempo do Daniel. Até isto é relativo, pois o Isac pode ter dormido durante mais tempo, e, teoricamente, ir mais longe à noite seguinte.

Rubens
Informações “extra-oficiais” fornecidas pela Grace Gandolfi dizem que o Rubens chegou ao Km 995 às 19h. Então para percorrer os mesmos 219 km ele usou aproximadamente 20h e 30 minutos. A noticia também é que o Rubens dormiu lá no km 995, que estava bem e saiu a ½ noite.

O brevet é dividido em 19 etapas e não é possível uma grande analise com os tempos de apenas quatro delas. O que dá é para tentar imaginar o que pode estar acontecendo.

O Rubens dormiu no km 995, ficou 5 horas neste PC, e partiu as zero horas do dia 20-08 e estava bem.
O tempo limite para chegada é até o ½ dia do domingo, dia 22.
Tem 60 horas para fazer os 630 km restantes. Tem folga.
Conforme o Rubens for andando a conta vai ficando mais simples. Os quilômetros faltantes podem reduzir de forma que o tempo ofereça ainda uma folga maior.
O perigo seria sair do PC 995 cansado, o ritmo cair muito, de maneira que o relógio não permita mais paradas longas para descanso, e a pressão psicológica fique desfavorável. Esta ultima hipótese não deve ser o caso dos brasileiros.

Vamos aguardar mais informações e manter a confiança!

Luiz M. Faccin

1001 Miglia- Castelnuovo Berardenga

Os Brasileiros Daniel Sikar e Isac Chedid passaram no controle de Castelnuovo Berardenga km 995
http://www.1001migliaitalia.it/riders/riders_ride.php?ci=4
Daniel- 20:40 ( 19-08)
Isac- 22:45 ( 19-08)
O que esta faltando são as informações do Rubens Gandolfi que estava mais adiantado, mas o seu tempo não apareceu ainda neste PC. Vamos torcer para que seja apenas um esquecimento no registro da passagem do Rubens por lá e que ele esteja firme no brevet.
O Daniel esta turbinado e ultrapassando alguns ciclistas;
O Isac parece estar pedalando em grupo pois tem o mesmo tempo de passagem que mais três ciclistas, mas pode ser apenas o encerramento do Pc o que vou confirmar.

Parece pouco, mas já pedalaram um brevet 1000 e falta mais de 600 km.

As informações do 1001 Miglia não são tão rápidas como de outros brevets já acompanhados, ver, Colorado Last Chance e Endless Mountains. Alguns fatores devem contribuir, quando estive na Italia tive dificuldades para acessar a internet, mesmo em hoteis e em grandes cidades, as vezes estava tudo "fora do ar", o que esperar de pequenas cidades mais no interior.
Enquanto estou escrevendo este post as ultimas atualizações de chegada ao km 995 são das 22:45, mas já são mais de 3:00 ( horários Italia) o que são mais de 4h sem atualização. OBS: não temos que reclamar, mas apenas fica o registro. O que diferencia também é que os pcs com registro de tempo no site tem uma distancia maior entre um e outro.

Tem ciclista que já pedalou os 1625 km do 1001 Miglia.

Vamos aguardar mais informações.

1001 Miglia - passagem por Bolsena

Confirmado a passagem dos brasileiros por Bolsena, Km 776:

Rubens Pinheiro Gandolfi    18-08-2010     23:24:00    Brazil
Daniel Sikar                        19-08-2010     04:00:00    Brazil
Isac Chedid Saud Filho       19-08-2010     04:10:00    Brazil

Próximo destino Castelnuovo Berardenga, no Km 995.

Assim que receber maiores informações e fotos, público.
A diferença de tempo entre o Rubens e o Isac, que sairam juntos, está grande.
Vamos aguardar contato.

Daniel Sikar, iniciou a prova apenas na terça-feira, mas já se juntou com o grande grupo, da prova.

terça-feira, 17 de agosto de 2010

1001 Miglia - passagem por Diacomano

Confirmamos a passagem dos amigos Isac e Rubens no Km 475km da prova.

registro da passagem:

Rubens Pinheiro Gandolfi    17-08-2010     20:16:00    Brazil
Isac Chedid Saud Filho       17-08-2010     20:40:00    Brazil

No caso do Rubens equivalem a 22 horas e 37 minutos
e o Isac com 23 horas e 1 minuto.

Agora é momento de descansar e se preparar para atravessar um trecho com forte altimertria.

Rumo a Bolsena!!!!

Força gurizada!!!!

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

1001 Miglia - a largada

No momento desde post, a galera está pedalando madrugada a dentro nos kms iniciais do brevet.
Abaixo a fotos do Rubens e o Isac momentos antes da largada. Concentração e adrenalina total!!



ps: perdão. Cometi um engano sobre os trechos na análise do percurso inicial.
Para quem quiser ler novamente, agora de forma correta, o link é:

1001 Miglia - análise inicial da prova

1001 Miglia - momentos do Briefing

recebi agora a foto do Rubens no briefing.
Muita atenção aos detalhes passados na reunião onde todos os cliclistas tiram suas dúvidas finais antes da largada.

É o Santaclismo, mais uma vez, representado em provas internacionais de longas distâncias.

1001 Miglia - análise inicial da prova

É hoje!! A largada se dará as 21 horas. 16 horas aqui no Brasil.



Se preparar para um brevet desse nível sempre é bom planejamento.

Cada ciclista tem um estilo de pensamento e forma de se organizar nos dias do brevet. E vale lembrar.. a execução SEMPRE será diferente do planejado. O ideal é ter um pequena diferença, ainda mais por ser uma ultra distância essa diferença pode aumentar.

Analisando o trajeto e altimetria, diria que no primeiro dia será o dia em que nossos amigos terão que pedalar o máximo possível para atingir, se possível Faenza (km 390) ou Dicomanno (km 475). O primeiro dia é o dia em que estamos com mais forte e energia para girar bem.

A altimetria do trecho entre Faenza até Passignano Sul Trasimeno é forte. O ideal é que nesse primeiro dia eles possam atingir Dicomanno para dormir. Porém dependendo do estado deles, a opção de parada para dormir, deverá ser Faenza mesmo.

Outro trecho de forte altimetria será o de Montecatini Terme. Mas será análisado durante essa semana.


Vamos ficar de olho em como será esse primeiro dia.

Coragem aos ciclistas no 1001 Miglia 2010!!

abs

Trevisan

domingo, 15 de agosto de 2010

1001 Miglia - Os estágios

Abaixo um resumo dos estágios programados do brevet.

estágio  -  local  -  km  -  info
00 - Nerviano - 0km - saída
01 - Fombio -107km
02 - Colorno - 191km 
03 - Massa Finalese - 274km - alimentação
04 - Faenza - 390km - alimentação/dormitório
05 - Dicomanno - 475km - dormitório
06 - Chiusi Della Verna - 548km - alimentação/dormitório
07 - Passignano Sul Trasimeno - 653km - alimentação/dormitório/bagdrop
08 - Todi - 724km
09 - Bolsena - 778km - alimentação/dormitório
10 - Pomonte - 859km - alimentação/dormitório
11 - Montalcino - 932km 
12 - Castelnuovo Berardenga - 1018km - alimentação/dormitório/bagdrop 
13 - Montaione - 1097km 
14 - Montecatini Terme - 1150km - alimentação/dormitório
15 - Aulla - 1280km
16 - Deiva - 1357km -  - alimentação/dormitório
17 - Caselle - 1450km - alimentação/dormitório
18 - Castellania - 1509Km

19 - Nerviano  1631km - chegada

sábado, 14 de agosto de 2010

1001 Miglia - Isac manda mensagem

Pessoal,
recebi a pouco um email do Isac.

copiei e colei neste post.

Queridos, Amigos e Randonneurs
Acabei de entrar na rede e fiquei muito feliz em saber que estão nos acompanhando daí. Por aqui a concentração é grande e, a todo momento, vem chegando randonneurs do mundo todo e muito experientes ( só macacos velhos!!). Nos receberam com festa e muita prestatividade. Até uma bandeira de nosso pais foi erguida junto com as demais. Eles brindam a vinda de brasileiros para esse evento. Legal, né!? ...Esse BRM é considerado o mais duro e longo da Europa. São 1636km de muito empenho e dedicação - na verdade, o que vale é pedalar e curtir o que puder. Teremos muitas opções e, uma que me chamou a atenção, é a possibilidade de, em um dos trechos, alternar por duas rotas. Uma por estrada de chão, da famosa L'eroica ou, seguir pelo asfalto. Confesso que prefiro o asfalto. Por aqui esta chovendo muito, o que é comum em Milão e região da Lombardia, principalmente nessa época. A temperatura é agradável, mas refresca consideravelmente a noite. Quanto mais subirmos, um grau cairá a cada 900m. Estamos torcendo para não chover. Entre 21 e 22h (15 u 16h - Brasil) da noite de segunda feira, largaremos. Estamos conhecendo muita gente bacana e alguns bem divertidos. O Rubens está conversando com todos e se divertindo muito...Eu? Nem se fala!!. Aproveitamos o dia para descontrair um pouco passeando pela região e, ao final do dia, soltamos um pouco as pernas girando em volta de nosso hotel. Os lugares são incríveis. Passaremos por lugares impares e de muito empenho. Os primeiros 400km serão no estilo de PoA (plano) porém, com um visual bem diferente. Não que o de PoA não seja bacana... A partir daí, o bicho vai pegar. Já iremos encarar uma super montanha com 15% de inclinação. Teremos a partir daí três fleches veloces sendo, o ultimo o maior desafio da Europa, 80km de subida direta e sem interrupções - tentem imaginar o que é isso!! ... alguns randonneurs que conhecemos por aqui estão muito preocupados. Na verdade, é de arrepiar se pensar muito. Quando chegarmos lá, estaremos super cansados e com a mente cada vez mais confusa. Mas vamos nessa!
O que vale, é pedalar e curtir. Espero que possamos cumprir todo o trajeto com muita tranqüilidade e empenho.
Em cada trecho, saibam vocês, lembraremos de todos. Como se estivéssemos juntos pedalando e curtindo. Aos que vão encarar o frio das próximas provas aí, desejo muito sucesso e que possam cumprir com tranqüilidade. Não vou escrever muito, pois não quero xaropear heheheeh... e não ficar tão extenso...
Quero mesmo, é agradecer toda a atenção e o carinho que nos deram desde a nossa partida.
Roberto! ... obrigado pela lembrança e pelo carinho. Lembro como se fosse ontem a noite quando conversamos pela primeira vez e te disse o quanto queria isso (lembra? hehe). Fiquei muito emocionado por isso e, saibas que lembramos de ti e dos queridos paneleiros com muito carinho. Sempre lembramos o quanto seria melhor se estivessem conosco. Na verdade todos que sempre participam conosco e sem preferências! Espero que todos possamos, no próximo 1001 MI, estarmos aqui ... por enquanto, apenas queremos dividir com vocês essa emocionante aventura de pedalar em lugares diferentes e, aos poucos, enviaremos mais noticias...
Um super abraço a vcs... e a todos os nossos queridos amigos randonneurs daí...
iSaC

1001 Miglia - a preparação

Recebi fotos do Isac e do Rubens se preparando para o brevet.



Será que eles vão saber montar as magrelas?? Essa é a dúvida que fica no Ar!!!
Pelo cenário na foto, eles estão com ar de quem não sabe por onde começar... ;-)

Muito bom, eles precisam montar as bikes e dar um girinho para verifcar se os equipamentos estão OK.

Sorte Amigos!


abs

Trevisan

1001 Miglia 16 - 22 de agosto 2010 - Ultra Brevet 2010



Nó próximo dia 16 de agosto, acontecerá a largada do Ultra brevet chamado 1001 Miglia.

O 1001 Milia equivalem a 1600 Km. Um dos mais longos brevets da Europa, que atravessará a Itália praticamente de cima a baixo. Iniciamente a organização deste brevet limitou o número de vagas em 300 ciclistas. Estão confirmados 310 inscritos. Os ciclistas terão 135 horas para concluir o desafio contando com 19 estágios (pontos de controle).

Para poder participar deste brevet é preciso ter concluído um brevet de 1200 km sancionado pela Randonneurs Mondiaux (BRM) ou também um brevet de 1000 km no último ano. A série Super Randonneé 2010 também valeria uma vaga neste evento.

O nível deste brevet é considerado de altíssimo grau, visto que a altimetria é impressionante chamando muito a atenção. Serão, quase um total acumulados, 30.000 pés de altitude em escaladas, exigindo muita experiência dos ciclistas. A preparação psicológica prevalecerá o tempo todo.

Dos inscritos na prova, temos 6 brasileiros registrados. Alguns não residem na nossa terra, mas estaremos acompanhando nossos amigos Rubens Pinheiro Gandolfi representando o clube Santa Ciclismo e Isac Chedid Saud Filho representando o clube Randonneurs RS neste grande desafio, apartir da semana que vem.

Nos próximos Posts vou enviar notícias dos Randonneurs Gaúchos se preparando para a prova.
Estarei acompanhando a prova, na semana que vem, e enviarei posts de notícias do andamento da prova.


abraço a todos.

Trevisan

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Quadro de Medalhas

Veja as fotos das principais premiações do ciclista Jorge Martins que reside na França.
Na França não é comum o ciclista receber uma medalha imediatamente após o brevet. O ciclista pode encomendar e pagar a sua medalha, se quiser. O mesmo como o realizado com as medalhas ACP aqui no Brasil.
Não são apenas fotos de medalhas, mas também modelos de eventos que podem ser realizados, sem ficarmos apegados apenas na opinião do ciclista que diz que não vai pedalar em Caxias porque tem subida.
Não é apenas a medalha que interessa, a participação em cinco brevet Paris Brest Paris, que são realizados a cada quatro anos, significa também que são mais de 20 anos de pedaladas de longa distancia. Um jovem de 30 anos não tem um quadro de medalhas igual a este e não vai conseguir com uma vontade imediata. São anos de pedais, onde com certeza conta muito mais o gostar de pedalar do que o querer uma medalha para a coleção. Veja também os comentários.
Veja as Fotos Aqui!


Em breve teremos 2 gaúchos tentando uma medalha inédita, a do 1001 Miglia ( brevet de 1600km) na Itália. Novamente estaremos por aqui tentando noticiar e comentar o que for possível.

Boas pedaladas.

sexta-feira, 9 de julho de 2010

A Cultura das Provas Amadoras

É notável o crescimento das provas amadoras de ciclismo no país. Amadoras, pois têm o caráter empírico, não oferecendo premiações em dinheiro, não contando com a presença de grande ídolos, mas sim com o intuito de gerar a alegria e motivação necessários para que aquele novo ciclista se apaixone definitivamente pelo esporte- e que volte na etapa seguinte com a intenção de vencer, vencer a si mesmo.
E esses eventos estão se tornando cada vez mais produtivos para o ciclismo no Brasil. As provas estão mais cheias, a família comparece, ....


A chave para que esses eventos possam continuar crescendo cada vez mais- e assim motivando mais pessoas a começarem ou permanecerem no esporte- é a fidelidade nas datas. Alem disso, é preciso manter o nível de organização, pois de nada adianta abrir 3 mil inscrições se o organizador tem estrutura para organizar um evento para 2 mil.
Com tudo isso que falamos, é possível notar que o esporte tem o poder de quebrar as pequenas barreiras e assim vai sendo criada uma cultura, a de praticar atividades físicas em busca da melhoria de condicionamento e performance e, melhor ainda, da qualidade de vida.

Mauro Ribeiro, Técnico da Seleção Brasileira
Fonte: Revista Vo2Max, Julho 2010, Pagina 82

quinta-feira, 8 de julho de 2010

Fotos do brevet de 300km Santa Cruz do Sul

No dia 09 de março de 2008 organizei o brevet de 200km com uma grande estrutura e divulgação. Foi um trabalho grande e um esforço imenso para que tudo estivesse 99% para o brevet. Coloquei placas indicativas na estrada, estrutura nos Pcs, tivemos um grande número de participantes. Quase tudo uma maravilha, mas tivemos um ou outro caso de ciclista com reclamações absurdas. O caso mais conhecido foi do ciclista que disse que o brevet era um audax de merda! Este blog ainda não existia. Depois daquele triste acontecimento resolvi não organizar mais brevets de 200km estilo de andamento livre ( Randonneur ou Randonnée). A decisão foi baseada apenas no fato de que alguns ciclistas novatos não mereciam todo o trabalho e esforço que eu realizava para organizar um evento com aqueles moldes. Ainda hoje prefiro organizar um brevet de 400 ou 600 km onde eu possa contar com a participação de Randonneurs de verdade e que merecem todo o respeito de dedicação. Se alguem observar muita coisa mudou de 2008 até hoje e uma delas é a forma como alguns brevets são, ou melhor, não são divulgados. Quem realmente quer alguma coisa, vai atrás e consegue. Estes não são pessoas do tipo que pensa que todo mundo está errado quando ele está cansado.

SEgue o link para as fotos do brevet de 300km do Santa Ciclismo, brevet organizado por Marco Antonio Valim e fotos realizadas por Edimar da Silva o Graxa.

Fotos Brevet 300 km

Viva o nosso "Audax de M_ _ _ _".

Agora em julho vou estar de férias e em agosto retorno com novidades com mais de 1200km.

sexta-feira, 11 de junho de 2010

segunda-feira, 7 de junho de 2010

Brevet 600km Santa Cruz do Sul 2010

Veja as fotos do brevet de 600km realizado nos dias 05 e 06 de junho de 2010.

Luiz Faccin

Miguel Lawisch

Rolf

Demeure


Foi mais um brevet inesquecivel, com certeza muito dificil, muito frio, muito sono e vento, mas muitas historias para contar, muita amizade, brincadeiras. Para quem estava organizando, também muito trabalho.

Em breve vou postar mais informações.

Existem várias maneiras de se fazer a mesma coisa.

quinta-feira, 29 de abril de 2010

Oitavo brasileiro a completar um brevet de 1200 km ou mais

O LEL-London-Edinburgh-London – brevet de 1400 kms realizado no dia 26 de julho de 2009 teve a participação de um brasileiro:
Homologações LRM:
http://www.lesrandonneursmondiaux.org/homologations2011.html

Daniel Sikar, Brazil, tempo: 97h 20 min.

Fotos do Daniel no LEL 2009

O Daniel mora aproximadamente metade do ano em Londres e metade do ano em São Carlos – SP


Este foi o seu primeiro brevet de ultra-longa distancia.
Outros eventos de longa distancia pedalados foram:

Londres - Paris - Londres 2009 Solo 520km em 2 dias.

Land's End - John O'Groats 2008 num grupo de 4 (Lejog, sudoeste da Inglaterra até Nordeste da Escócia ~ 1500km em 9 dias):

Lhasa - Kathmandu 2008 num grupo de 13 ~ 1100km, 16 dias.

Próximas pedaladas:
Ele e a irmã planejam pedalar o Caminho da Fé neste inverno;
Pretende pedalar do Oiapoque ao Chuí, talvez ainda este ano;
Pretende pedalar a 1001 Miglia (1600km) na Itália em Agosto e o PBP no ano que vem.

“Pedalar é a salvação da humanidade!” Daniel Sikar

----------------------------------------------------------

Vou ter que atualizar a lista dos brevetados de 1200 km

Agora vou incluir na lista o primeiro brevetado de 1400 km
Quem sabe em agosto eu possa incluir nesta lista mais 2 ou 3 brevetados de 1600 km.

Em breve será dificil manter esta lista atualizada.

Boas pedaladas!

quarta-feira, 21 de abril de 2010

Primeira Randonnée Permanente do Clube Audax Paris

Esta é uma nova organização do clube
São os brevets permanentes de 600 km com no mínimo 10000m de desnível acumulado.
Categoria Randonneurs= até 50 horas
Categoria Touristes= no mínimo 80 km por dia

Até o momento (2009) existe apenas um brevet deste tipo que esta servindo de teste para esta nova categoria de brevets.

Super Randonée da Alta Provencia

Veja informações e todos os detalhes no blog:
http://www.super-randonnee-de-haute-provence.blogspot.com/

Os primeiros homologados foram os italianos
Bárbara Fanchini e Fulvio Gambaro que pedalaram juntos o percurso em agosto de 2008.

Relato em Italiano.

Vai para a França fazer ciclo turismo? Gosta de longa distancia? Já tem um percurso maravilhoso e também uma autentica aventura te esperando.
Sim, não tem carro resgate e o brevet é do tipo se vira ciclo turista.

Em 2012 foi criado o titulo de Randonneurs 10000 para o qual a participação em uma Super Randonnée é pre requisito!

quarta-feira, 14 de abril de 2010

Randonneur 10000 e Randonneur 20000

Objetivo:
Criar a distinção, medalha e certificado de Randonneur 10000 e Randonneur 20000.

Para quem
Para o ciclista que atingir as respectivas distancias de dez e vinte mil quilômetros pedalados em Brevets Randonneurs Mundiais homologados pelo Clube Audax Paris (ACP) e Les Randonneurs Mundiais (LRM).

Encomenda
Realizada com pedido especifico onde o ciclista deve obter/preencher, entre outras informações, o numero da homologação, data, distancia e clube organizador do brevet, até atingir a soma total de 10000 e 20000 quilômetros em brevets.
A encomenda poderá ser realizada até uma determinada data anual, possivelmente no final do mês de outubro.
* As Fleches não são brevets e não somam para o pedidos destas distinções;
* Os brevets da União dos Audax Franceses ( UAF) não somam para estes pedidos;
* Os brevets não tem data limite para validade;
* Os brevets do pedido de Randonneur 10000 são válidos para o pedido de Randonneur 20000.

Pré Requisitos
É obrigação do ciclista obter as informações para preenchimento do seu pedido.
A organização dos brevets no Brasil, Randonneurs Brasil, irá disponibilizar aos ciclistas uma forma de consulta de homologações via site http://randonneursbrasil.com.br/ O ciclista e voluntário Roberto P. Trevisan está desenvolvendo este sistema que esta em fase de testes,mas todos os dados precisam ser adicionados e isto deve demorar algum tempo.

Custos
Tudo tem um custo.
Os principais:
Molde da medalha;
Custo unitário de confecção de cada medalha;
Custo de embalagem e de envio;
Custo de impressão do certificado.

Para cobrir os custos temos dois modelos
1-Modelo da ACP, utilizado para a medalha de Randonneur 5000.
- Medalha sem custo para o agraciado. O que é cobrado é apenas o custo de envio.

Os custos existirão e deverão ser rateados pelo conjunto dos organizadores em rateio anual a ser pago junto com a fatura anula das homologações ACP.
Observações e comentários
Sou pessimista em relação aos organizadores. A primeira questão possibilidade seria um organizador reclamar que o seu clube teve um numero menor de homologações do que outros, ou então que nenhum ciclista de sua cidade/clube/estado obteve a medalha.
Tenho convicção de que alguns organizadores não tem a consciência que o desenvolvimento da modalidade é benéfico para todos, por isto considero mais adequado a nossa situação a segunda opção como segue abaixo:

2- Modelo da UAF, utilizado para a medalha de Águia de Ouro.
O pedido da medalha é opcional e os custos desta medalha, certificado e envio, deverão ser pagos pelo agraciado/ requisitante.

Em ambos os casos a Organização Brasil= Randonneus Brasil, deverá manter atualizado no site http://randonneursbrasil.com.br/ ( atualização anual) a lista dos ciclistas agraciados com estas distinções . A lista estará na ordem cronológica de recebimento dos pedidos.

Outras listas poderão ser mantidas pela Organização Brasil.
Lista dos ciclistas brasileiros brevetados nos brevets de 1000, 1200 ou mais kms;
Lista dos ciclistas brasileiros que conquistaram a medalha de Randonneur 5000.

Luiz Maganini Faccin
Representante ACP- Brasil
Abril de 2010.

segunda-feira, 12 de abril de 2010

Brevet 1200 km no Brasil. Quando?

Organizar um brevet de 1200km aqui no Brasil.
Esta discussão não existe, mas segue a minha opinião:

Não temos estradas= 600 km de estradas continuas para organizar um brevet de 1200 km.
Não conheço todas as estradas do Brasil, mas talvez quando a duplicação da BR 101 esteja concluída aqui no RS e SC tenhamos alguma opção com acostamento.
As nossas estradas, mesmo as boas, são muito perigosas e os nossos motoristas assassinos. O estrangeiro, de quase todo o local onde existem brevets ACP, não tem a noção do que é pedalar onde os motoristas não respeitam os ciclistas, pior que isto, muitos nos odeiam e querem nos atropelar.
O Brasil é um país tropical que tem praias, Copa do Mundo, Olimpíadas, futebol, Pelé, mulheres bonitas e poderá ter um brevet de 1200 km que nenhum gringo fanático por randonneuring já pedalou. Um desafio novo. Em um país mais barato. Tudo de bom?

Não vejo muito sentido em organizar um brevet de 1200 km agora. Claro que todo ciclista gostaria de ter um brevet de 1200 aqui, inclusive eu, mas é preciso diferenciar o que o ciclista deseja e o que a organização pode ou não fazer. Não devemos marcar brevets por vaidade ou devido apenas à vontade dos ciclistas, mas pensando de forma mais objetiva e organizada.
Um brevet de 1000km esta de bom tamanho para a nossa organização e é um bom teste para qualquer ciclista. Nos brevets de 1000 km só temos a participação de brasileiros e pode-se fazer um percurso de vai e volta com mais de um percurso. Por exemplo: o percurso do Brevet Farrapos 1000 km Santa Cruz do Sul 2009.
Este é o brevet mais próximo de um 1200 km que já tivemos até os dias de hoje.
O brevet de 1000 km foi legal por que?
Foi como nos brevets de 1200 km lá fora- ciclistas que pedalam longa distancia estavam ajudando no brevet- todos os voluntários eram ciclistas. Foi um brevet simples.
Tivemos 17 voluntários trabalhando e 17 ciclistas brevetados. O sucesso do evento foi resultado principalmente da experiência dos ciclistas que estavam participando. Todos os ciclistas que pedalaram o brevet de 1000km conheciam 100% do percurso do brevet devido a participação nos eventos anteriores, isto foi muito importante para o sucesso. Todos eram brasileiros e acostumados com os nossos motoristas.
Temos dificuldade para respeitar o calendário, o que dizer para organizar um brevet internacional digno da participação de estrangeiros. Temos poucos exemplos de organizadores trabalhando em conjunto. É um brevet complicado, a possibilidade de ter problemas e reclamações que deixariam uma má impressão da nossa organização é bem grande. O organizador de um brevet de 1200 km deve ter como pré requisito, no mínimo alguma experiência em participação em brevets desta distancia.
Alguns ciclistas mais experientes têm muitas restrições para termos estrangeiros pedalando aqui.

Comentários do Kayo de OliveiraOi LUIZ
Desculpe o atraso. Primeiro, se eu responder de imediato eu vou arruinar a minha reputação, segundo preciso de um tempo para refletir bem antes de opinar, para que não seja mal entendido.
Este tema e bem complicado, especialmente no meu caso conhecendo bem as nossas condições e a expectativa de possíveis estrangeiros, que venham se interessar. No caso dos americanos, seriam raros os ciclistas da minha roda de conhecimentos que se proporiam a tal aventura sem conhecer os detalhes de segurança das estradas a serem trafegadas. Nos infelizmente não temos o mínimo de segurança em nossas estradas para oferecer mesmo aos nossos próprios ciclistas brasileiros que tem jogo de cintura.
Desculpe o meu pessimismo, porem estou sendo o mais sincero possível.
Acho que a BR101 como qualquer outra rodovia de tanto movimento seria fora de cogitações, dado o comportamento criminoso de parte de uma grande maioria dos irresponsáveis motoristas.
Este verão passado motorista de uma AMBULANCIA do município de Imarui SC, em plena luz do dia, tentou me atropelar por traz numa rodovia estadual que da acesso aquela cidade. O meu amigo Jose Dias Bueno (ZE) foi testemunha do quase fatal acidente.
Agora você vê, se isto acontece com testemunhas, durante o dia, imagine o que possa acontecer na calada da noite com os bandidos bêbados ou drogados atrás do volante.
Matam um estrangeiro, o rolo que vai acontecer, não para o motorista, e sim para os organizadores. O motorista tem ao seu lado a impunidade, o ciclista tem contra si a condição de cidadão de segunda classe. Não e só ai no Brasil que a nossa presença nas estradas e repudiada, aqui nos EUA se passa o mesmo, porem a justiça americana funciona, na maior parte dos casos, um pouquinho melhor que ai no PaTropi.
Para resumir, eu não vejo condições razoáveis num futuro breve para a realização de um evento deste nível por ai. Porem eu quero deixar claro, eu gostaria imensamente de que nos tivéssemos o mínimo recomendado para que um 1200K fosse realizado no RS.
Se a gente se unir e trabalharmos juntos, quem sabe a gente consiga algum dia oferecer condições ideais para que isto aconteça. Eu sou da opinião que a coisa deva ser bem feita, caso contrario não a faça. Segurança e vital.
Conte comigo. Vamos conversar mais sobre o assunto.
Abraços - Kayo.

Kayo de Oliveira foi o primeiro brasileiro a concluir um brevet de 1200km. Boston Montreal Boston de 1998 e também o Paris Brest Paris de 1999. Reside em Boston e Garopaba, SC, alternadamente.

Quem sabe em 2012? Depois de um 2011 com mais participação de brasileiros no Paris Brest Paris. Para realizar um 1200 em 2012 é necessário iniciar os preparativos ainda em 2011. Isto já é no próximo ano!
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Observações:
O texto acima foi escrito em abril de 2010 quando estudava a possibilidade de organizar um 1200km no Brasil. Na época resolvi postar este texto devido a preocupação com a segurança. Na mesma época cheguei a conclusão que para organizar um 1200km, com bom nível de organização, eu precisaria  me dedicar apenas para organizar apenas este brevet no ano. Em julho de 2010 estive em Paris e conversei pessoalmente com os responsáveis do Clube Audax Paris. Recebi como sugestão a realização de um Petit Brevet- um brevet com número de participantes limitado.
Agora em 2013 já tivemos mais de 50 participantes no PBP Randonneur de 2011, já temos organizadores que concluíram eventos de 1200km, ainda não temos segurança nas estradas, mas provavelmente tenhamos o conhecimento para realizar um brevet com número de participantes limitado.
Neste tempo, desde que este texto foi escrito, ninguém mais escreveu a respeito, alguns ciclistas ainda o utilizam como fonte e justificativa. Pensei em excluir esta postagem, mas a preocupação e o conteúdo continua com validade.
Boas pedaladas.

Luiz M. Faccin set 2013.