quarta-feira, 19 de fevereiro de 2020

Caminhos do Chopp


Pedalar pelo interior dos Municípios de Vera Cruz e Santa Cruz do Sul, deparar-se com locais de natureza exuberante, com vista privilegiada, relaxando o corpo e a mente. Por fim, ainda degustar um bom chopp e confraternizar com a família e os amigos em um delicioso almoço. Este é o Caminhos do Chopp 2020.

Serão três trajetos:
1. O percurso mais leve e curto, com pouca altimetria, sem trilha. Aproximadamente 22km.
2. Percurso médio, com altimetria um pouco maior, para aqueles que gostam de se desafiar. Percurso com uma trilha. Aproximadamente 30km.
3. Percurso longo, com altimetria mais elevada, para aqueles que não tem medo de arriscar. Percurso com duas trilhas. Aproximadamente 52km.
***Ambos percursos novos

Quando: 29/03/2019
Local: Ginásio de Vera Cruz - RS (Rua Amanda Friedrich)

Programação:
Café da manhã e entrega dos kits: das 6:00hs até 7:30hs
Largada: 7:45hs
Almoço: a partir das 13hs
Banda típica: no horário do almoço

Kit de ciclista: Todos os ciclistas receberão um kit com o tradicional Vale Chopp, Vale café da manhã, Vale almoço, Placa para a Bike, Cintas para placa.

*Todos os ciclistas estarão segurados com seguro contra acidentes.

Premiação:
Medalha para todos os participantes que completarem a prova.

*Um barril de chopp será entregue ao maior grupo uniformizado pedalando no evento. Grupo deve estar presente no momento da entrega do prêmio.

Inscrições:
Valor: R$ 85,00 até dia 23/03/2019 no site Bike do Sul e até 26/03/2019 na Luiz Faccin Bicicletas, Av. Deputado Euclides N. Kliemann, 544.
NÃO HAVERÁ INSCRIÇÕES NA HORA EM FUNÇÃO DO SEGURO DO ATLETA.
Site para inscrição: www.bikedosul.com.br

Estrutura:
- Pontos de hidratação com água gelada, cuca e frutas
- Batedores de motos
- Carros de apoio
- Estacionamento gratuito.
- Banheiros masculinos e femininos com chuveiro
- Placas de orientação
- Ambulância
- Demarcação do percurso
- Fotos do evento gratuitas
- Seguro
- Local para lavar a bike

OBRIGATÓRIO O USO DE EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA, PRINCIPALMENTE CAPACETE.
**Idade mínima para participação= 16 anos.

Organização:
Audax Santa Cruz
Apoio:
Prefeitura Municipal de Vera Cruz
Luiz Faccin Bicicletas

domingo, 1 de dezembro de 2019

MTB Inca Peru 2020


Mtb Inca Peru
de 04 a 12 de setembro de 2020.
  Conheça o Vale Sagrado Inca Pedalando!
    Viva essa experiência mágica!

Pacote Inclui:

Ø  Passagem aérea Porto Alegre / Cusco / Porto Alegre

Ø  Transfer Aeroporto / Hotel / Aeroporto                                                                                        

Ø  04 noites de hospedagem em Cusco com café da manhã                                     

Ø  01 noite de hospedagem em Águas Calientes com café da manhã*

*(somente para quem optar por Machu Picchu, quem não for, ficará hospedado em Ollantaytambo ou Cuzco)      

Ø  01 noite de hospedagem em Ollantaytambo com café da manhã                                                                       

Ø  01 noite de hospedagem na Comunidade de Misminay com café da manhã

Ø  02 dias de Cicloturismo

Ø  02 guias de Bike / 01 líder e 1 fechador de percurso

Ø  Pontos de alimentação e hidratação nos percursos

Ø  01 jantar em Misminay

Ø  Camionete, equipe de apoio, carro de apoio para ciclistas.

Ø  Aluguel de Bikes


Opcional:

Machu Picchu (trem / ônibus / ingresso / guia)


Confira a edição 2018=  Clique Aqui!
Videos do pedal de 2018=
Video TVs= Aqui!

Videos de 2019=
Primeiro dia de pedal= de Cusco a Misminay= https://youtu.be/gq1GyhgNl-w

Segundo dia de pedal= Misminay até Ollantaitambo= https://youtu.be/QVNl6HHAlXM

Pedal extra = Abra de Malaga= https://www.youtube.com/watch?v=b3PMrhQaZ-U

Evento 2019 no Facebook= https://www.facebook.com/events/1141527856024508/

Vídeo realizado no pedal do MTB Camp Vale Sagrado Inca 2018. Final da Trilha da Salinera de Maras= https://youtu.be/IiZ5EY3N_xA

Vídeo realizado com o Drone durante o Pedal no primeiro dia do MTB Camp Vale Sagrado Inca 2018= https://www.youtube.com/watch?v=OasXolGrZD4&feature=youtu.be



Mínimo de 15 pessoas

VAGAS LIMITADAS!!!


Informações e contato=
Luiz Faccin= 51-9 9817-5990
Mariane Schmidt= 51-9 9930-4258

Informações extras

Limite minimo de 15 participantes e máximo de 25 que são as bicicletas disponíveis.
Bicicletas utilizadas serão bikes full suspension de ótima qualidade;
Distribuição das bicicletas será realizada no inicio do pedal em Cuzco. Alocação das bicicletas conforme tamanho dos ciclistas e adaptações de bikefit realizadas por Luiz  Faccin;
Teremos guia local no pedal e mais dois guias brasileiros.
Bicicletas serão alugadas no Peru. Cada ciclista deverá levar o seu equipamento;
Pernoite durante os dias de pedal será realizado na Vila De Misminay com oportunidade de convivência com moradores locais.
Pedal tem uma dose de aventura controlada e a ideia é curtir dois dias de contato com a natureza e as pessoas no Peru;
Altimetria de Cuzco é de 3500 metros, clima quente e seco na época escolhida para a realização da viagem;
Quem não participar do pedal tem opções de combinar para ir  para o pernoite e visitas aos mesmos locais visitados durante o cicloturismo. Informações e opções individuais a combinar;
reservas e pagamentos serão realizados com a empresa Santa Trip de Santa Cruz do Sul. Contato Pedro Wetzel;
Para valores e mais informações entrar em contato via whats ou ligação para os números indicados acima;
BREVE DESCRIÇÃO DA VIAGEM
Programação/cronograma aproximado da viagem para o Ciclo Turismo Vale Sagrado 2020

Sexta dia 04 de setembro
Voo Porto Alegre para Santiago – 21h (chegada as 23h19)

Sábado 05 de setembro =
Voo Santiago para Lima – 3h54 (chegada 6h38)
Voo Lima para Cuzco – 9h07 (chegada 10h34)
Horário local com duas horas de atraso.
Deslocamento do aeroporto para hotel
Tarde livre em Cuzco.

Domingo dia 06 de setembro
Dia livre em Cuzco - caminhada para aclimatação e visitas ao centro histórico (interessante visitar igrejas, museus, mercado público, tour de ônibus guiado pelos principais pontos turísticos da cidade).

Segunda-feira dia 07
Início ciclo turismo em frente ao hotel em Cuzco (Van leva os ciclistas até um ponto mais afastado do centro da cidade para iniciar o pedal)
Percurso previsto aproximadamente 45km com paradas programadas para descanso e lanche. Percurso todo com carros de apoio. Cuzco, Chinchero, Misminay.
Chegada a tardinha em Misminay com recepção cultural pelo povoado.
Subida ao alto do morro onde se visualiza sítio arqueológico de Moray.
Pernoite em vila com hospedagem familiar. Jantar incluso.

Terça-feira dia 08
Café da manhã em Misminay.
Segundo dia de Cicloturismo.  Percuso de 53km. Misminay, Maras (Salineras), Vale Sagrado seguindo o Rio Urubamba, Chilca e final em Ollantaitambo.
Chegada a tardinha.
Pernoite em Ollantaitambo.


Quarta-feira dia 09
Primeiro dia livre – sugestão – Machu Picchu
Trem para Aguas Calientes logo cedo pela manhã
Chegada ao hotel em Aguas Calientes.
Visita (opcional) a Machu Picchu.
Quem não optar por Machu Picchu pode retornar ao Cusco ou ficar em Ollantaytambo conhecendo os diversos sítios arqueológicos da região.

Quinta-feira dia 10
Segundo Dia livre
Hospedagem em Cuzco
Opcionais a combinar com grupo, ou individual
Sugestão descer o Abra de Málaga com bike – 56km de descida

Sexta feira dia 11
Dia livre
Hospedagem em Cuzco
Opcional a combinar com grupo ou individual;
Sugestão subir a Montanha de Colores (Van até o local, com parada no caminho para café da manhã. No retorno almoço.
Retorno a Cusco.

Sábado dia 12
Voo de Cuzco para Lima – 20H12 (chegada 21h44)
Voo de Lima para Porto Alegre – 23h55 (chegada 6h35)


Sugestões para os dias livres
Cusco
Museo Inka
Mercado San Pedro
La piedra de 12 ángulos (twelve-angled stone)
Museu de Arte Precolombino
Bairro de San Blas
Cristo Blanco
Sacsayhuamán
Qorikancha
Iglesia de la Compañía de Jesus
Catedral de Santo Domingo
Plaza de Armas
Casa Concha Museum
Puka Pukara
Tambomachay
Qenqo – 6km de Cusco
Ruínas de Pisac
Valle Sur

terça-feira, 26 de novembro de 2019

História ciclística


História ciclística
    Quando tinha aproximadamente 5 anos de idade o meu pai me disse= pode pedalar até a esquina, até lá onde termina a calçada. Não é para passar dali! No final da calçada estava uma valeta, uma rua que acabava no mato do quartel, e um terreno com terra preta e o o pavilhão da igreja ao fundo. Eu não teria noção disto, mas o meu pai pareceu ter dito= daqui para a frente inicia o restante do mundo. O que existiria dali para frente, não demorei para levar a minha bicicletinha Odomo aro 14 até a esquina do sapataria do seu Assmann. Algumas centenas de metros depois, mas a curiosidade para descobrir o desconhecido, leia-se prazer pela aventura, estava lançada.
    No ano de 1981, já quase com 11 anos de idade eu pedalava uma aro 20. Depois de uma manhã desenhando um mapa de geografia, nos mínimos detalhes, sai pedalando atrasado para a educação física. Logo após a educação física conversei com os colegas= daqui até em casa levo 1 minuto, ahhh duvido, eu sai, cruzei o viaduto sobre a rua Paul Harris e segui tranquilamente, do outro lado seguia outro rapaz com uma Monareta verde. Era uma quarta feira e acordei no sábado de manhã no hospital. O que eu estou fazendo aqui mãe? Tu não lembra? Caiu de bicicleta, bateu a cabeça em uma arvore e caiu de  costas no chão, quebrou a cabeça, quase perdeu a língua e quase morreu! Os teus colegas estiveram aqui, tu conversou com eles. Uma vaga lembrança dos colegas sentados no chão do quarto. Foram 53 dias sem aula, repeti de ano por conta da matemática e mais, tive uma mudança grande de comportamento. O aluno quieto e nota 10 em quase tudo, virou o mais conversador e o maior agitador da sala de aula. Muito tempo depois, descobri que a minha mudança com certeza foi devido a ter batido a parte frontal do crânio. Minha vida foi forjada a frio pela bicicleta.
     Com bicicleta Monareta e Barra Circular foram alguns pedais até Rio Pardo, Porto Ferreira e Venâncio. Algum tempo depois o meu pai comprou uma Caloi 10 velha, que estava dependurada em um banheiro. Passei a pedalar mais longe com o único ciclista da cidade, o Paulo Lopes, mas que todos chamavam de Paulo Louco. Louco ele não era,  nem louco e nem um grande ciclista, mas uma grande pessoa que amava a bicicleta e não tinha maldade alguma no coração. Com ele foram vários pedais, e, ai sim passei a ser um louco, mas por fazer a incrível distancia a Santa Cruz do Sul até Rio Pardo pedalando, uns 30 km. Na época éramos chamados assim. Os tempos dos pedais, não eram muito bons, mas acho que o Paulo gastava muita energia gritando, sempre aumentava o percurso e gritava que estava indo para mais longe do que na verdade iriamos. Conhecido por sua plantação de sagu e brincadeiras, Paulo foi uma referência inicial que, no mínimo, tinha um bom ritmo de pedal e me deixava para trás nas subidas. Depois conheci o Miguel e Inácio Lawish que contavam que tinham ido até Santa Maria pedalando. Mais companheiros para os pedais.
    Já estávamos no tempo do bicicross e eu era um afortunado de ter uma Caloi 10 e mais uma bike e mais uma Caloi Cruiser Tk sem câmbios. Com esta bike iniciei os primeiros pedais para o interior. Subir o morro da pedreira (hoje Morro da Cruz) o bairro Monte Verde não existia, mas tinha uma trilha que terminava na pista de motocross. Diversão era subir o morro e descer a trilha, melhor se fosse no barro. Miguel e Inácio nos apresentaram ao Jorge que foi quem nos convidou para pedalar até Boa Vista e descer para Rio Pardinho. Mais distancias e mais percurso a descer. A Caloi cruiser passou a ter 3, depois 4 marchas com peças adaptadas das Ceci e Peri. Depois conseguimos aros de alumínio azuis. Pensa em um bike top, parava o transito para ver aquelas bikes com guidão de moto e aros anodizados. Já pedalávamos mountian bike antes de existir este termo por aqui. Ida até Boa Vista e retorno por Rio Pardinho, com direito a banho de rio, era a diversão de todo o domingo a tarde. Chegava em casa à tardinha parecendo um pastel à milanesa de tanta poeira, a estrada não tinha asfalto.
    No final do ano de 1984 a minha mãe incentivada por uma tia resolveu abrir uma loja de vestuário, mas era ela quem atendia na pequena loja de peças de bicicletas que ficava em uma garagem ao lado da borracharia. Eu iria iniciar aos estudos a noite e ela me perguntou= tu cuida a loja? para eu vou abrir uma loja de roupas. Sim, porque não? Trabalho infantil? Antes dos 15 anos eu era o responsável pelo atendimento do balcão da D Faccin ( Faccin Peças). A busca por conhecimento vinha através de revistas e catálogos de bicicletas e peças. Somente depois de algum tempo surgiram as oportunidades de curso de mecânica em fabricas de bicicletas. A ida a São Paulo para o curso na fábrica da Monark (1995) foi uma aprendizado e uma aventura.
     Surgiram as primeiras bikes mtb, fabricas de quadro de alumínio e aos poucos surgiram mais alguns ciclistas. Com os primeiros faróis de bicicleta, realizamos um primeiro pedal noturno, descer a linha Travessa entre seis ciclistas, com apenas dois faróis, bem fraquinhos. Depois realizamos o tradicional pedal a Boa Vista e Rio Pardinho a noite. Em 1086 realizei o primeiro pedal Faccin Bicicletas de Mountain Bike, aproximadamente 40 ciclistas com suas incríveis bikes aro 26 de aço com ou sem marchas. Depois o primeiro pedal fora da cidade, com muito medo e duvidas, consultar cópias apagadas de carta topográfica, fomos de carro até próximo a cidade de Muçum para descer o percurso da Ferrovia do Trigo.
     No ano de 2001 apareceu um maluco falando em Eco Chalenger em corrida de aventura. Que será que é isto? Logo depois descobri a primeira corrida de aventura do RS que seria realizada de Gramado a Nova Petropolis. Tem que ser em equipe, tem que remar nas corredeiras, rapel já era tranquilo. Bora fazer equipe, curso de canoagem, treinar, correr. Primeira prova a 40 graus com boa classificação, a segunda equipe gaúcha a completar  evento. Até 2004 foi a diversão, mas neste ano surgiu a maior prova ciclística do mundo em Porto Alegre. Um tal de Audax 200 km e lá se foi o 200, 300. A prova de 400km  foi realizada em Campinas, SP.
    A esquina da Av.Euclides Kliemann já estava bem longe de Campinas. O ano de 2005 chegou com decisão de abandonar as corridas de aventura, para ficar participando apenas das provas de Audax, também organizar o primeiro Breve 200km aqui em Santa Cruz do Sul. Surgiu o interesse por aprender mais, a internet estava mais presente na fonte de informações. Surgiu a descoberta sobre uma prova de 1200km na França, Paris Brest Paris 1200k Randonneur, a maior e mais famosa prova de modalidade. O que eu preciso para poder ir? Dinheiro, a juntar, saber falar francês, a aprender, estar classificado, e ter experiência. O Próximo Paris Brest Paris seria só em 2007. Economizar, estudar e ter experiências para em 2007 completar o Paris Brest Paris 2007 e ser o terceiro brasileiro a completar este desafio.  Em 2008 participando de um breve de 400 km realizado em Curitiba, descobri que poderia conquistar o titulo de Randonneur 5000, conquista que nenhum brasileiro havia nem sequer tentado. Novamente a pergunta: o que precisava? Organizar a primeira fleche e o primeiro breve de 1000 km no Brasil, além destes,  pedalar a lista de eventos necessários.

    O ano de 2009 foi épico, organizei 7 eventos, entre eles os primeiros brevets AUDAX da União Audax Franceses aqui no Brasil, e pedalei 19 brevets. Quase 5 mil km só em eventos pedalados atingindo a meta para conquistar o titulo de Randonneur 5000. Precisava as homologações do Audax Club Paris para conseguir este titulo, mas a situação estava ½ parada. Recebi o convite para assumir a função de representante do Clube para o Brasil. Titulo conquistado e agora muito trabalho a fazer, até o ano de 2011, quando poderia ir participar novamente do Paris Brest Paris, o que não fiz, e deixei o cargo de representante. A minha função estava realizada. 


Depois do ano de 2014 com mudança na empresa o foco deixou de ser os Audax, até mesmo os de caminhada que havia me dedicado, inclusive realizando os breves de 100 km Audax Marcha. O ciclismo retornou para mais próximo do ponto original de curtir a descida e o passeio. Novas possibilidades além da esquina surgiram. O gosto pela aventura, e conhecer novos locais, esta me levando para outros países e possibilitando conhecer novas culturas.

Novas possibilidades: surgiram pedais no Peru, Uruguai, Italia e outros. O gosto pela aventura continuara movendo os sonhos para conhecer novos locais com o uso deste veiculo abençoado que é a bicicleta. Alem do nos conduzir, nos trás amizades e conhecimento. 
Luiz Maganini Faccin= dezembro de 2019. 
Históri

quarta-feira, 6 de novembro de 2019

15 anos de história Audax Santa Cruz


15 anos de história Audax Santa Cruz

No dia 19 de março de 2005 foi realizado o primeiro Breve 200km em Santa Cruz do Sul. No evento tivemos  67 ciclistas que completaram o percurso com sucesso.

Em 2009 o grupo Audax Santa Cruz foi responsável pela organização da primeira Fleche, e também, o primeiro Breve 1000 km realizados no Brasil. Neste mesmo ano o primeiro ciclista brasileiro conquistou o título de Randonneur 5000 do Clube Audax Paris. Por acaso foi um santa-cruzense.

Em 2009 foram realizados em Santa Cruz do Sul os primeiros breves AUDAX 100 e 200 km ciclismo.

Em 2009 a primeira mulher brasileira completou um breve de 1000km, por acaso uma santa-cruzense 

Em 2004 o primeiro gaúcho a completar um breve de 600 km no Brasil, por acaso foi um santa-cruzense.

Em 2005 a primeira mulher brasileira a completar um breve de 600 km, não, não era de Santa, Cruz, mas de Candelária.

Em 2007 apenas dois brasileiros foram homologados no Paris Brest Paris 1200km, por acaso foram dois santa cruzenses.

Objetivo deste pequeno resumo é mostrar um pouquinho da história e experiência em longa distância. Estamos no 15º calendário BRM com experiência desde 2004. 
O Grupo com o código ACP mais antigo do Brasil.

Um pouco da história dos Breves Randonneur Mundiais no Brasil está disponível no Blog=

Luiz M. Faccin
Novembro de 2019

terça-feira, 5 de novembro de 2019

Itens obrigatórios Breve 200km


Itens OBRIGATÓRIOs no Breve 200km e Desafio 100 km Asfalto

1. Colete reflexivo (Em X ou Fechado);
2. Farol dianteiro fixado na bicicleta;
3. Sinalizador traseiro fixado na bicicleta(Piscas com apenas 01 led não serão aceitos)
4. Capacete devidamente afivelado;

5. Placa do evento numerada, devidamente fixada na bicicleta com a frente para o lado esquerdo ( lado da estrada);
6- Passaporte da prova;

11    Colete deve ser utilizado no momento da largada, em caso de chuva, neblina e condições de pouca iluminação. Colete deve ser refletivo e utilizado sobre mochila;
22    Deve estar fixo na bicicleta, e, em condições de funcionamento, durante todo o percurso. Lanterna de cabeça, ou similares, pode ser utilizado como iluminação extra, mas não substituem o farol;
33    Deve estar fixo na bicicleta, e, em condições de funcionamento, durante todo o percurso. Luz fixada em capacete, mochila ou outro local, pode ser utilizado como iluminação extra, mas não substitui a luz fixada na bicicleta;
44  Obrigatório durante todo o percurso;
55   Obrigatório durante todo o percurso;
66    Fornecido pela organização antes da largada. Deverá ser carimbado nos PCs e entregue assinado na chegada. O transporte e cuidado com o passaporte é de responsabilidade do participante. O extravio do passaporte significa a desclassificação do participante.



Imagem Audax Bagé

Colete Refletivo. CONFIRA A FOTO
Alguns coletes refletivos só tem refletivo no nome e não servem para o propósito original.
( Imagem Audax Rio).